DE NORTE A SUL: UMA ANÁLISE SOBRE AS CARACTERÍSTICAS ECONÔMICAS E GASTRONÔMICAS DAS PRINCIPAIS FRUTAS IDENTITÁRIAS NO BRASIL

Palavras-chave: Fruticultura, Consumo, Economia, Versatilidade, Pandemia.

Resumo

O presente estudo surge com o intuito de analisar as características de algumas frutas no território brasileiro sob a perspectiva do consumo, econômica e versatilidade gastronômica. Foram selecionadas as frutas pequi, butiá, jabuticaba, caju e açaí, visto a representatividade de cada uma nas cinco regiões do Brasil. Além destas frutas também analisamos as características da banana, por estar presente no consumo frutífero de todas as regiões observadas. A partir de estudos bibliográficos, associados à coleta de dados no campo virtual através do método netnográfico, a pesquisa busca compreender e apresentar um pouco mais sobre cada uma das frutas ancorando-se em autores como Steele, Mourão e Fagundes somada a dados de fontes como IBGE e Embrapa. Conforme as informações coletadas ao longo do estudo, consegue-se perceber a relevância destas frutas para o crescimento econômico da sua região de origem através de seu consumo que ocorre de diversas formas, sendo estimulado principalmente pela potencialidade e versatilidade gastronômica que estas oferecem. O estudo ainda traz uma breve observação da manifestação das frutas estudadas diante do cenário pandêmico em que o mundo se encontra, decorrente da propagação da Covid-19. Dessa forma, reforça a importância das frutas como elemento agregador e fortalecimento econômico para o mercado nacional.

 

Referências

ANDRADE, P. F. S. Fruticultura. Governo do Estado do Paraná, Secretaria da Agricultura e do Abastecimento, 2020. Disponível em:
. Acesso em: 13 de fev. de 2021.

Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados. Brasil é o terceiro maior produtor de frutas do mundo, diz Abrafrutas. Brasília, 7 mar. 2019. Disponível em: . Acesso em 15 de mar. de 2021.
Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados. Dados de Exportação 2020. Brasília, 2021. Disponível em:. Acesso em 15 de mar. de 2021.
BARROS, E. C. da D.; INÁCIO, R. A.; PINTO, F. O.; QUINTAS, E. da S.; RODRIGUES, M. D. A
utilização da banana como fonte de renda para pequenos produtores. Revista Científica Interdisciplinar, v. 3, n. 2, p.22-37, 2016. Disponível em:. Acesso em 09 de mar. de 2021.
BORGES, A. L.; MATOS, A. P. de; RITZINGER, C. H. S. P.; SOUZA, L. da S.; LIMA, M. B.; FANCELLI,
M. Boas práticas agrícolas de campo no cultivo da bananeira.Cruz das Almas, BA: Embrapa Mandioca e Fruticultura, 52p., 2015. Disponível em :
. Acesso em : 17 de mar. de 2021.
BRASIL. Ministério da Saúde . Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. 2º ed. Brasília, Ministério da Saúde, 2014. Disponível em:
>. Acesso em 09 de mar. de 2021.
BÜTTOW, M. V.; BARBIERI, R. L.; NEITZKE, R. S.; HEIDEN, G. Conhecimento tradicional associado ao uso de Butiás (Butiá spp., Arecaceae) no sul do Brasil. Rev. Bras. Frutic., Jaboticabal, v. 31, n. 4, p. 1069-1075, dez. 2009. Disponível em:. Acesso em: 11 de fev. de 2021 Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil-CNA. Panorama Agro. Brasília, jun. 2020. Disponível em: . Acesso em: 27 de fev. de 2021.

CRISÓSTOMO, L. A.; SANTOS, F. J. de S.; OLIVEIRA, V. H. de; RAIJ, B. van; BERNARDI, A. C. de
C.; SILVA, C. A.; SOARES, I. Cultivo do cajueiro anão precoce: aspectos fitotécnicos com ênfase na adubação e na irrigação.Fortaleza: Embrapa Agroindústria Tropical, out. 2003. Disponível em: .
Acesso em: 08 de mar. de 2021.

EMBRAPA. Cuidados na colheita contribuem para longevidade do butiá. Brasília-DF: Embrapa Clima Temperado, 4 abr. 2019. Disponível em: /noticia/42442421/cuidados-na-colheita-contribuem-para-longevidade-do-butia>. Acesso em 09 de mar. de 2021.

FAGUNDES, M. H. Castanha de Caju – Análise Mensal – Novembro 2020.Brasília: Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), 14 dez. 2020. Disponível em:
. Acesso em 15 de mar. de 2021.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS-FAO. FAOSTAT. Roma:
FAO, 2020. Disponível em: . Acesso em 15 de mar. de 2021.

GIRUÁ. Prefeitura Municipal de Giruá. Atrações artísticas da Expogiruá marcam a história do município. Giruá, 2019. Disponível em:
. Acesso em 15 de mar. de 2021.

GIRUÁ. Prefeitura Municipal de Giruá. Município de Giruá suspende aulas até dia 2 de abril e transfere a 14ª Feira do Butiá. Giruá, 2020. Disponível em:
. Acesso em 15 de abr. de 2021.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE. Censo agro 2017.Rio de Janeiro: IBGE, 2017.Disponível em:
. Acesso em 15 de mar. de 2021.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola: Estatística da Produção Agrícola janeiro 2021. Rio de Janeiro: IBGE, 2021. Disponível em: . Acesso em 15 de mar. de 2021

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE. Produção da Extração Vegetal e Silvicultura 2019. Rio de Janeiro: IBGE, 2020. Disponível em:
. Acesso em 15 de mar. de 2021

KOZINETS, R. V. Netnografia: realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre: Penso, 2014.

LAGE, C. A.; CARDOSO, N.; CARMO, L. A. M.; ELIAS, M. A. A versatilidade do consumo da jabuticaba: descobrindo possibilidades de aproveitamento dessa fruta no dia a dia. CES REVISTA, Juiz de Fora, v. 1, n. p.116-132, 2017. Disponível em :
. Acesso em: 12 de fev. de 2021

LIMA, A. de J. B. Caracterização e atividade antioxidante da jabuticaba, [Myciaria coulifora (Mart.) O. Berg]. 2009. Tese (Doutorado em Agroquímica)-Universidade Federal de Lavras,Lavras, MG. Disponível em:. Acesso em 08 de mar. de 2021.

MALAVÉ, M. M. Especialistas tiram dúvidas sobre alimentação e coronavírus. Rio de Janeiro: Fiocruz, 15 maio 2020. Disponível em: . Acesso em 09 de mar. de 2021.

MOURÃO, L. História e natureza: açaí ao palmito. Revista Territórios e Fronteiras, v.3 n.2, p.74-96, 2010. Disponível em:
. Acesso em: 13 de fev. de 2021.

PAIVA, F. F. de A.; GARRUTI, D. dos S.; SILVA NETO, R. M. da. Aproveitamento Industrial do caju. Fortaleza: Embrapa-CNPAT/SEBRAE/CE, 88p., 2000. Disponível em: /publicacao/0422033/aproveitamento-industrial-do-caju>. Acesso em 08 de mar. de 2021.

PATRÍCIO, E. Pandemia derruba festivais gastronômicos e economia de Sabará. Estado de Minas, 10 ago. 2020. Disponível em:
. Acesso em 15 de mar. de 2021.

PATRO, R. Butiá – Butia capitata. Jardineiro.net, 27 fev. 2014. Disponível em:.Acesso em: 11 de fev. de 2021.

RIBEIRO, L. Pequi vira ouro do cerrado. Estado de Minas, 15 jul. 2013 Disponível em:
. Acesso em 15 de mar. de 2021.

RODRIGUES, A. Em plena safra, vendas de pequi caem no Cariri devido à pandemia. Diário do Nordeste, 26 jan. 2021. Disponível em:
. Acesso em 15 de mar. de 2021.

ROSSINI, M. C. Como o açaí conquistou o mundo. Super Interessante, 2019. Disponível em:
. Acesso em 16 de mar. de 2021.

RUFINO, M. S. M. Prioridades funcionais de frutas tropicais brasileiras não tradicionais. 2008. Tese (Doutorado em Agronomia). Universidade Federal Rural do Semi Árido, Mossoró-RN.

Disponível em: ocorro-Rufino.pdf> .Acesso em: 11 de fev. de 2021.

SANTANA, J. DAS G.; NAVES, R. V. Caracterização de ambientes de cerrado com alta densidade de pequizeiros (Caryocar brasiliense Camb.) na região Sudeste do Estado de Goiás. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 33, n. 1, p. 1-10, 15 nov. 2007. Disponível em:. Acesso em 08 de mar. de 2021.

SANTOS, H. G. dos; JACOMINE, P. K. T; ANJOS, L. H. C. dos; OLIVEIRA, V. A. de; LUMBRERAS, J. F.; COELHO, M. R.; ALMEIDA, J. A. de; ARAUJO FILHO, J. C. de; OLIVEIRA, J. B. de; CUNHA, T. J.
F.. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5º. ed. Brasília, DF: Embrapa, 2018. 356 p. Disponível em :< https://www.embrapa.br/solos/sibcs >. Acesso em 09 de mar. de 2021.

SERRA, F. R.; SANTOS, D. Açaí – Análise Mensal – Dezembro 2020. Brasília: Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), 08 jan. 2021. Disponível em:
. Acesso em 15 de mar. de 2021.

SERRANO, L. A. L.; PESSOA, P. F. A. P. Aspectos econômicos da cultura do cajueiro. 2ª ed. Rio de Janeiro: Embrapa Agroindústria Tropical, Sistema de Produção, jul. 2016. Disponível em:
. Acesso em 11 de mar. de 2021.

SOARES, C. T. Secagem da polpa de pequi por liofilização. 2018. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia Agrícola, Campinas-SP. Disponível em:. Acesso em 11 de mar. de 2021.

SOUZA, E. É tempo de caju na feira e no prato. Folha PE, 28 jul. 2018. Disponível em :
. Acesso em: 13 de fev. de 2021.

STEELE, E. M.; RAUBER, F.; COSTA, C. dos S.; LEITE, M. A.; GABE, K. T.; LOUZADA, M. L. da C.;
LEVY, R. B.; MONTEIRO, C. A. Mudanças alimentares na coorte NutriNet Brasil durante a pandemia de covid-19. Revista de Saúde Pública, v. 54, p. 91, 2020. Disponível em:
. Acesso em: 3 mar. 2021.

TRZECIAK, D. Artesanato e receitas de butiá são fontes de renda no interior do RS. G1, 12 dez. 2012. Disponível em: . Acesso em 15 de mar. de 2021.

VELOSO, V. Na 34ª edição, Festival da Jabuticaba de Sabará se reinventa. G1, 21 nov. 2020. Disponível em: . Acesso em 16 de mar. de 2021.
Publicado
2021-08-31