PANDEMIA E LAZER: os reflexos da pandemia nos cotidianos de lazer das periferias urbanas

Palavras-chave: Lazer, Lugar, Favela

Resumo

Diversas periferias no país são marcadas historicamente por ausências, precariedade dos serviços públicos e pelas narrativas sobre violência e pobreza divulgadas pela imprensa de forma constante há muitas décadas. Essas narrativas oficializadas sobre esses territórios imperam como obstáculos aos moradores, que continuam sendo estigmatizados e excluídos socialmente. Nestes tempos de pandemia, a situação parece ter se agravado. Falta de leitos para  a população mais pobre, materiais de higiene e até mesmo a diminuição drástica da renda tem tensionado esse período nos territórios periféricos. No entanto, mesmo com tantas problemáticas, muitos moradores de periferias têm encontrado dificuldade de abrir mão dos espaços de lazer, mesmo com medidas de distanciamento social. Nesse sentido, as resenhas nos botequins, as peladas no campo de várzea, o bate papo nas feiras se apresentam como grandes adversários nessa luta contra a Covid-19. Assim, buscando entender as relações e a importância que esses territórios do lazer representam, buscamos investigar três periferias nos Estado de Minas Gerais e Rio de Janeiro. Nesse sentido, pesquisamos os bairros de Justinópolis em Ribeirão das Neves- MG, Lote XV em Belford Roxo-Rj e o Conjunto de Favelas da Maré no Rio de Janeiro- RJ.   O trabalho analisou a maneira como se configuraram as sociabilidades e identidades tecidas através das experiências fomentadas nesses espaços de lazer, indicando a resistência dos moradores em abrir mão, mesmo em um momento de pandemia, desses espaços de lazer. Esta pesquisa utilizou a abordagem etnográfica por meio de observações entendendo esses territórios do lazer como “Pedaços” marcados por códigos, pertencimentos e identificações peculiares no contexto periférico, como diz José Magnani.

Referências

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: editora UNESP, 2004.

CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CENTRO DE ESTUDOS E AÇÕES SOLIDÁRIAS DA MARÉ. Censo Maré 2000: Quem somos?, [2003?].
CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano, parte 2. Rio de Janeiro: Vozes, 2013.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

GEERTZ, Cliford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Editora S.A., 1989.

GOFFMAN, Irving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4 ed. Rio de Janeiro: LTC, 1988.

LEITÃO, Leslie; MARTINS, Marco Antônio. Tráfico impõe toque de recolher e uso obrigatório de máscaras em favelas do Rio durante a pandemia. G1, Rio de Janeiro, 8 de maio de 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2020/05/08/trafico-impoe-toque-de-recolher-em-favelas-do-rio-durante-a-pandemia.ghtml. Acesso em: 13 dez. 2020

LIGA DA TOCA PINHEIRO. A bola rola, a partir de hoje às 16:20, com 2 grandes jogos [...]. Rio de Janeiro, 13 de junho de 2020. Página de Facebook. Disponível em: https://www.facebook.com/photo?fbid=151243063131970&set=a.119576192965324. Acesso em: 15 dez. 2020.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Revista brasileira de ciências sociais, [S.l.], v. 17, n. 49, p. 11-29, jun. 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-69092002000200002&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 4 jan. 2021.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Festa no pedaço: cultura popular e lazer na cidade. São Paulo: Unesp, 1984.

MARCELLINO, Nelson Carvalho. O lazer e os espaços na cidade. In: ISAYAMA, Hélder, LINHALES, Meily Assbú (org.). Sobre lazer e política: Maneiras de ver, maneiras de fazer. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006. p. 65-92.

MIRANDA, Claudia. Poblaciones afrobrasileñas y COVID-19. Ethos comunitario y otras formas de lucha. In: SEPTIEN, Rosa Campoalegre. La pandemia racializada: debates desde la afroepistemología. Buenos Aires: CLACSO, 2020.

PERES, Ana Cláudia. Favelas contra o vírus: como as periferias vêm lidando com a pandemia de covid-19, em meio aos problemas cotidianos e diante da ausência de ações governamentais. RADIS: Comunicação e Saúde, n. 212, p. 20-25, mai. 2020. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/41225. Acesso em: 13 dez. 2020.

NASCIMENTO, Diogo Silva do. Maré de lazer: construções, sociabilidades e significados dos lugares de lazer no Morro do Timbau. 2020. Tese (Pós-graduação em Estudos do Lazer da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2020. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/34141. Acesso em: 4 jan. 2021.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE. Folha informativa COVID-19 - Escritório da OPAS e da OMS no Brasil. Organização Pan-Americana da Saúde, [S.l.], 2020. Disponível em: https://www.paho.org/pt/covid19. Acesso em: 10 nov. 2020.

SALES, Marcelo Ribeiro. Memórias da violência e resistências silenciadas: as ações político-educativas da paróquia São Simão, em Belford Roxo (RJ). 2019. Dissertação (Mestrado em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas) –Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Duque de Caxias, 2019.

SÁNCHEZ, F. E. G. Cidade espetáculo: política, planejamento e city marketing, Curitiba, Palavra, 1997.

SANTOS, Carlos Nelson Ferreira dos; VOGEL, Arno. Quando a rua vira casa. São Paulo: Projeto, 1985.

SOUZA, Rafaela Goltara. Ribeirão das Trevas?: o skate dando um ollie nas narrativas dominantes sobre a cidade de Ribeirão das Neves , MG. 2020. Dissertação (Mestrado em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2020.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Tradução de Lívia de Oliveira. São Paulo: DIFEL, 1983. p. 76-299.

ZALUAR, Alba; ALVITO, Marcos. Um século de favela. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2003.
Publicado
2021-03-01