USO DE PLANTAS MEDICINAIS NAS CIDADES DE CRUZÍLIA, SÃO GONÇALO DO SAPUCAÍ E VARGINHA MG

Palavras-chave: Fitoterapia. Intoxicação. Enfermidades. Tratamento

Resumo

As plantas medicinais vêm sendo usadas como medicamento para a cura e o tratamento de doenças há muito tempo. Todavia, se essa prática não for realizada corretamente, poderá comprometer à saúde humana. Nesse sentido, foi objetivo do presente trabalho avaliar o uso de plantas medicinais nos municípios de Cruzília, São Gonçalo do Sapucaí e Varginha MG. A amostragem do tipo probabilístico foi realizada aplicando 20 questionários em cada município, totalizando 60 questionários. Constatou-se que a maioria das pessoas que usa plantas medicinais é do sexo feminino. Em Cruzília, São Gonçalo e varginha 65, 95 e 25 % das pessoas usam plantas medicinais, respectivamente. A maioria dos entrevistados consegue plantas medicinais através de hortas caseiras e utiliza as plantas na forma de chá. Entre as plantas mais utilizadas nas três cidades são hortelã, erva doce, boldo e erva cidreira. Em Cruzília e Varginha, 69 e 60% dos entrevistados, respectivamente, sempre viram resultados no tratamento, enquanto em São Gonçalo do Sapucaí, apenas 37%. Apesar desse resultado, em São Gonçalo do Sapucaí 89% responderam que já apresentaram alguma reação adversa devido ao uso de plantas. Diante deste contexto, destaca-se a importância das plantas medicinais como alternativa no tratamento de doenças, entretanto, alerta-se quanto aos riscos do uso indiscriminado de certas espécies.

Biografia do Autor

Aurivan Soares de Freitas, Universidade Vale do Rio Verde

Professor na Universidade Vale do Rio Verde (UninCor),

Três Corações, Minas Gerais, Brasil,

        

Andresa de Oliveira Brandão

Graduada em Farmácia pela Universidade Vale do Rio Verde (UninCor),

Três Corações, Minas Gerais, Brasil,

Karina Luiza de Souza

Graduada em Farmácia pela Universidade Vale do Rio Verde (UninCor),

Três Corações, Minas Gerais, Brasil

Larissa Aparecida Silva Saturnino

Graduanda em Farmácia pela Universidade Vale do Rio Verde (UninCor),

Três Corações, Minas Gerais, Brasil.

Referências

ARAÚJO, M. Das ervas medicinais à fitoterapia. São Paulo: Ateliê Editorial, 2002.

BRASIL. Resolução RDC n° 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e dá outras providências. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2010/res0010_09_03_2010.html. Acesso em: 14 dez. 2020.

CALÁBRIA, L. et al. Levantamento etnobotânico e etnofarmacológico de plantas medicinais em Indianópolis, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v. 10, n. 1, p. 49-63, 2008. Disponível em: https://www1.ibb.unesp.br/Home/Departamentos/Botanica/RBPM-RevistaBrasileiradePlantasMedicinais/artigo8.pdf. Acesso em: 14 dez. 2020.

CARNEIRO, F. M. et al. Tendências dos estudos com plantas medicinais no Brasil. Revista Sapiência: sociedade, saberes e práticas educacionais, Câmpus de Iporá, v.3, n. 2, p. 44-75, jul./dez. 2014. Disponível em: https://crfmg.org.br/comunicacao/estudos_com_plantas_medicinais.pdf. Acesso em: 15 dez. 2020.

CORRÊA JÚNIOR, C.; MING, L.C.; SCHEFFER, M. C. Cultivo de plantas medicinais, aromáticas e condimentares. Jaboticabal: FUNEP, 1994. 162p.

GABRIEL NETO, L. A.; GOMES, F. T. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pela população do município de Oliveira Fortes-MG. Perspectivas Online: Biológicas & Saúde, [S.l.], v. 8, n. 27, 2018.

KFFURI, C.W. Etnobotânica de plantas medicinais no município de Senador Firmino, Minas Gerais. 2008. 88 f. Dissertação (Pós-Graduação em Fitotecnia) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2008. Disponível em: https://www.locus.ufv.br/handle/123456789/4488. Acesso em: 15 dez. 2020.

LOPES, M. A. et al. Estudo das plantas medicinais, utilizadas pelos pacientes atendidos no programa “Estratégia saúde da família” em Maringá/PR/Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Campinas, v. 17, n. 4, p. 702-706, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-05722015000500702&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 14 dez. 2020.

MATTOS, A. A. et al. Levantamento de plantas medicinais comercializadas por raizeiros do mercado municipal central de Montes Claros–MG. Revista Brasileira de Pesquisa em Ciências da Saúde, [S.l.], v. 2, n. 1, p. 11-17, 2015. Disponível em: http://revistas.icesp.br/index.php/RBPeCS/article/view/26. Acesso em: 17 dez. 2020.

MOREIRA, M. L.; NOVAES, H. M. D. Internações no sistema de serviços hospitalares, SUS e não SUS: Brasil, 2006. Revista Brasileira de Epidemiol, [São Paulo], v. 14, n. 3, p. 411-422, 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2011000300006. Acesso em: 15 dez. 2020.

MOTTA, A. O.; LIMA, D. C. S.; VALE, C. R. Levantamento do uso de Plantas Medicinais em um Centro de Educação Infantil em Goiânia–GO. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 14, n. 1, p. 629-646, jan./ jun. 2016. Disponível em: http://periodicos.unincor.br/index.php/revistaunincor/article/view/2613. Acesso em: 15 dez. 2020.

OLIVEIRA, D. M. S.; LUCENA, E. M. P. O uso de plantas medicinais por moradores de Quixadá–Ceará. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Campinas, v. 17, n. 3, p. 407-412, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-05722015000300407&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 16 dez. 2020.

OLIVEIRA, E. R.; MENINI NETO, L. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pelos moradores do povoado de Manejo, Lima Duarte - MG. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v. 14, n. 2, p. 311-320, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-05722012000200010&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 14 dez. 2020.

PANIZZA, S. Ensinando a cuidar da saúde com as plantas medicinais: Guia prático de remédios simples da natureza. São Paulo, SP: Prestígio, 2005.

SANTOS, E. Q. et al. Etnobotânica da flora medicinal de quintais na comunidade Mamangal, Rio Meruú, Igarapé-Miri, Pará. Scientia Plena, [S.l.], v. 15, n. 5, 2019. Disponível em: https://www.scientiaplena.org.br/sp/article/view/4890. Acesso em: 16 dez. 2020.

SILVEIRA, P. F.; D. A.; BANDEIRA, M. A. M.; ARRAIS, P. S. D. Farmacovigilância e reações adversas às plantas medicinais e fitoterápicos: uma realidade. Rev. Bras. Farmacogn, [S.l.], v. 4, n. 18, out./dez. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbfar/v18n4/v18n4a21.pdf. Acesso em: 17 dez. 2020.

TEIXEIRA, J. B. P. et al. A Fitoterapia no Brasil: da Medicina Popular à regulamentação pelo Ministério da Saúde. [2012?]. Disponível em: https://www.ufjf.br/proplamed/files/2012/04/A-Fitoterapia-no-Brasil-da-Medicina-Popular-%C3%A0-regulamenta%C3%A7%C3%A3o-pelo-Minist%C3%A9rio-da-Sa%C3%BAde.pdf. Acesso em: 17 dez. 2020.

VEIGA JUNIOR, V. F.; PINTO, A. C.; MACIEL, M. A. M. Plantas medicinais: cura segura. Química nova, [S.l.], v. 28, n. 3, p. 519-528, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-40422005000300026&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 14 dez. 2020.

VIU, A. F. M.; VIU, M. A. O.; CAMPOS, L. Z. Etnobotânica: uma questão de gênero?. Revista Brasileira de Agroecologia, Porto Alegre, v. 5, n. 1, p. 138-147, 2010. Disponível em: https://orgprints.org/25047/1/Viu_Etnobot%C3%A2nica.pdf. Acesso em: 14 dez. 2020.

ZENI, A. L. B. et al. Utilização de plantas medicinais como remédio caseiro na Atenção Primária em Blumenau, Santa Catarina, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, [S.l.], v. 22, p. 2703-2712, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1413-81232017002802703&lng=es&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 15 dez. 2020.

ZUCCHI, M. R. et al. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais na cidade de Ipameri-GO. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Campinas, v. 15, n. 2, p. 273-279, 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-05722013000200016. Acesso em: 14 dez. 2020.
Publicado
2021-08-31