MY MAD FAT DIARY: uma análise psicanalítica da automutilação na adolescência

a psychoanalytical analysis of self-mutilation in adolescence

Palavras-chave: Automutilação, Adolescência, Psicanálise, My Mad Fat Diary

Resumo

São cada vez mais frequentes relatos sobre a automutilação em escolas, clínicas de saúde e nas redes sociais, que impulsionam o aumento de informação sobre esta prática, promovendo questionamentos sobre os significados e a influência deste ato na vida das pessoas, principalmente quando nos referimos a adolescência, que é um período de grandes transformações, dentre elas, a construção de identidade. O ato de se automutilar significa machucar o próprio corpo de uma forma voluntária, sem a intenção do suicídio, tendo como intuito amenizar o sofrimento vivenciado. Tomando como base a frequência desta prática, surge uma necessidade de definir e pesquisar a respeito do contexto histórico, os aspectos psicodinâmicos e sociais envolvidos na automutilação de adolescentes. Para uma maior articulação sobre a temática, foi utilizada a série televisiva britânica My Mad Fat Diary (2013), enfocando precisamente a personagem Rachel como uma forma ilustrada de discussão de um possível caso clínico. Pode-se dizer que a automutilação no caso da personagem surge com o intuito de descarregar os impulsos destrutivos e libidinais da jovem, que sente alívio por meio da dor em seu corpo.

Referências

ABERASTURY, A.; KNOBEL, M. Adolescência normal: um enfoque psicanalítico. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

ARAÚJO, J. F. B. de et al. O corpo na dor: automutilação, masoquismo e pulsão. Estilos da Clínica, São Paulo, v. 21, n. 2, p. 497-515, mai./ago. 2016. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/estic/v21n2/a12v21n2.pdf. Acesso em: 27 out. 2020.

BRASIL. Lei n°. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em: 27 out. 2020.

BRASIL. Lei n°. 13.819, de 26 de abril de 2019. Institui a Política Nacional de Prevenção da Automutilação e do Suicídio, a ser implementada pela União, em cooperação com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; e altera a Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998. Brasília, DF: Presidência da República, 2019a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2019/Lei/L13819.htm. Acesso em: 28 out. 2020.

BRASIL. Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. O Suicídio e automutilação tratados sob a perspectiva da família e do sentido da vida. Brasília, DF: Ministério das Mulheres, da Família e dos Direitos Humanos, 2019b. 53 p. Disponível em: http://www.mpce.mp.br/wp-content/uploads/2019/01/20190104-Manual-de-estudos-de-Preven%C3%A7%C3%A3o-do-Suicidio-MDHMC.pdf. Acesso em: 28 out. 2020.

CALLIGARIS, C. A adolescência. São Paulo: Publifolha, 2000.

CAMPBELL, D. NHS figures show 'shocking' rise in self-harm among young. The Guardian, Londres, 23 de outubro de 2016. Disponível em: https://www.theguardian.com/society/2016/oct/23/nhs-figures-show-shocking-rise-self-harm-young-people. Acesso em: 27 out. 2020.

CENTRO LATINO-AMERICANO E DO CARIBE DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE. Descritores em Ciências da Saúde: DeCS. São Paulo: BIREME: OPAS: OMS, 2015. Disponível em: https://decs.bvsalud.org/. Acesso em: 10 mar. 2020.

DAVIS, N. Self-harm among girls aged 13 to 16 rose by 68% in three years, UK study finds. The Guardian: Londres, 8 de outubro de 2017. Disponível em: https://www.theguardian.com/society/2017/oct/18/self-harm-girls-aged-13-to-16-rose-68pc-three-years. Acesso em: 26 out. 2020.

DICIONÁRIO Brasileiro da Língua Portuguesa. Michaelis, São Paulo, c2020. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br/palavra/Vxme/bullying/. Acesso em: 28 out. 2020.

ERIKSON, E. H. Infância e sociedade. 2 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

ESSLINGER, I.; KOVÁCS, M. J. Adolescência: Vida ou Morte. São Paulo: Ática, 1998.

FAVAZZA, A. Bodies Under Siege: self mutilation and body modification in culture and psychiatry. 2 ed. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 1996.

FREUD, S. Uma criança é espancada: uma contribuição ao estudo da origem das perversões sexuais. In: FREUD, S. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro, RJ: Imago, 1996a. v. 17, p. 193-218.

FREUD, S. Luto e melancolia. In: FREUD, S. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro, RJ: Imago, 1996b. v. 14, p. 243-266.

FREUD, S. O problema econômico do masoquismo. In: FREUD, S. Escritos sobre a psicologia do inconsciente. Rio de Janeiro, RJ: Imago, 1996c. v. 3, p. 103-124.

FREUD, S. Sobre o narcisismo: uma introdução. In: FREUD, S. Escritos sobre a psicologia do inconsciente. Rio de Janeiro, RJ: Imago, 1996d. v. 14, p. 133-173.

LACAN, J. O seminário, livro 13: o objeto da psicanálise. 2018. Edição não comercial destinada aos membros da Escola de Psicanálise dos Fóruns do Campo Lacaniano Brasil. Trabalho original publicado em 1965-1966.

LAPLANCHE, J.; PONTALIS J. B. Vocabulário da Psicanálise. Tradução de Pedro Tamen. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

LEVISKY, D. L. Adolescência: reflexões psicanalíticas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

LOURENÇO, B.; QUEIROZ, L. B. Crescimento e desenvolvimento puberal na adolescência. Revista de Medicina da USP, São Paulo, v. 89, n. 2, P. 70-75, abr./jun. 2010. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revistadc/article/view/46276. Acesso em: 27 out. 2020.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde: CID-10. [S.l.]: Organização Mundial De Saúde, 2008.

PALACIOS, J. O que é a adolescência. In: COLL, C.; PALACIOS, J.; MARCHESI, A. (org.). Desenvolvimento psicológico e educação: psicologia evolutiva. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

STRONG, M. A bright red scream: self mutilation and the language of pain. London: Penguin Books, 2009.

VENOSA, V. S. O "Ato de Cortar-se": uma investigação psicanalítica a partir do caso Amanda e do caso Catarina. 2015. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) - Instituto de Psicologia de São Paulo: Universidade de São Paulo, 2015. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-19022016-153519/en.php. Acesso em: 27 out. 2020.

VERÍSSIMO, R. Desenvolvimento psicossocial (Erick Erickson). Porto: Faculdade de Medicina do Porto, 2002.

VICTORA, L. G. O corpo real, imaginário e simbólico. Porto Alegre: Associação Psicanalítica de Porto Alegre, 2016.

ZIMERMAN, D. E. Vocabulário Contemporâneo de Psicanálise. Porto Alegre: Artmed, 2001.
Publicado
2021-03-01