APROVEITAMENTO DO SILÍCIO DERIVADO DA EXTRAÇÃO DO QUARTZITO SÃO THOMÉ NA CULTURA DO PEPINO

Palavras-chave: Cucumis sativus L.. Nutrição. Sustentabilidade.

Resumo

O silício absorvido pelas plantas melhora a sua morfologia e fisiologia, com redução na taxa de transpiração e confere eficiência fotossintética às plantas, é muito eficiente na proteção de estresses abióticos e bióticos de muitas culturas e pode conferir resistência ao ataque de insetos-praga e nematóides. O silício derivado da extração e produção mineral de quartzito em São Thomé das Letras, MG tem se tornado um rejeito gerador de problema ambiental e o seu aproveitamento na agricultura pode ser uma forma de uso sustentável. Assim objetivou-se com este trabalho avaliar o uso do silício, derivado da extração e produção mineral de quartzito São Thomé, na cultura do pepino. O experimento foi implantado na Fazenda São Francisco de Assis, em Três Corações – MG. O delineamento foi em blocos casualizados com dois tratamentos e 10 repetições. Os tratamentos utilizados foram: T1: 3 ton.ha-1 de sílica pura (95% de SiO2), e T2: sem silício. A varáveis analisadas foram: altura de planta, diâmetro de haste, comprimento de raiz, comprimento e largura de folha, diâmetro vertical e horizontal de fruto, peso e número de frutos. Os dados foram analisados pelo teste de F com 5% de significância. Observou-se diferença significativa para altura de planta, peso de fruto e diâmetro vertical de fruto. Conclui-se que o silício é promissor para o desenvolvimento e crescimento do pepineiro podendo ser uma alternativa viável e sustentável para a produção de pepino e para o ambiente.

Biografia do Autor

Eliana Alcantra, Universidade Vale do Rio Verde

Doutora em Entomologia. Docente no Mestrado Sustentabilidade em Recursos Hídricos e no curso de Agronomia na Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações – MG

Marco Antônio Sales Martins, Universidade Vale do Rio Verde

Bacharel em Agronomia Graduando do curso de Agronomia da Universidade Vale do Rio Verde-Unincor, Três Corações – MG.

Fredderico Avelar Viana Corrêa, Universidade Vale do Rio Verde

Bacharel em Agronomia da Universidade Vale do Rio Verde-Unincor, Três Corações – MG.

Rosângela Francisca de Paula Vitor Marques

Doutora em Recursos Hídricos. Docente da Universidade Vale do Rio Verde nos cursos de Mestrado em Sustentabilidade em Recursos Hídricos, Engenharia Ambiental e Sanitária e Agronomia, Três Corações, MG.

 

Referências

ALBUQUERQUE, ABEL W. de; SANTOS, J. M. dos; FARIAS, A. P. de. Produtividade e qualidade pós-colheita de Helicônia Golden Torch submetida a fontes e doses de silício. Revista Brasileira Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 18, n. 2, p. 173–179, 2014.

AMADO, D.; RIZENTAL, M. Silício como indutor de resistência a Aphis gossypii (Hemiptera: Aphididae) e Bemisia tabaci (Hemiptera: Aleyrodidae) em algodoeiro. Conection Line, n. 12, 2015.

BELAN, L. et al. Manejo alternativo do oídio na cultura do pepino em ambiente protegido. Revista Acadêmica, Curitiba, v. 11, Supl. 2, p. S03-S112, 2013.

CAMARGO, M. S. de. Efeito do silício na tolerância das plantas aos estresses bióticos e abióticos. Informações agronômicas, n. 155, p. 1-8, 2016.

CAMARGO, M. S.; KORNDÖRFER, G. H.; PEREIRA, H. S. Solubilidade do silício em solos: Influência do calcário e ácido silícico aplicado. Bragantia, Campinas, v. 66, p. 637-647, 2007.

EPSTEIN, E.; BLOOM, A. J. Mineral nutrition of plants: principles and perspectives. Sunderland: Sinauer Associates, 2005.

ETESAMI, H., JEONG, B. R. Silicon (Si): Review and future prospects on the action mechanisms in alleviating biotic and abiotic stresses in plants. Ecotoxicology and Environmental Safety, v. 147, p. 881–896, 2018.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia (UFLA), Lavras, v. 35, n. 6, p. 1039-1042, 2011.

GALATI, V. C. et al. Aplicação de silício, em hidroponia, na conservação pós-colheita de alface americana ‘Lucy Brown’ minimamente processada. Ciência Rural, Santa Maria, v. 45, n. 11, p. 1932-1938, nov./2015.

GONZÁLEZ E. M.; CEBALLOS, J. M.; BENAVIDES, O. B. Producción de forraje verde hidropónico de maiz Zea mays. L. en invernadero con diferentes niveles de silício. Revista de ciências agrícolas, v. 32, n. 1 p. 75 – 83, 2015.

GOTO, R. Pepino: Cucumis sativus L.: Programa brasileiro para a modernização da horticultura. São Paulo: CQH/CEAGESP, 2003. Normas de classificação do pepino. Disponível em: http://www.ceagesp.gov.br/wp-content/uploads/2015/07/pepino.pdf. Acesso em: 16 jan. 2018.

LIMA FILHO, O. F. de; LIMA, M. T. G. de; TSAI, S. M. O silício na agricultura. Informações Agronômicas, Piracicaba, n. 87, p. 1-7, 1999. (Encarte técnico, 132).

LIMA, et al. Quantificação da ferrugem asiática e aspectos nutricionais de soja suprida com silício em solução nutritiva. Summa Phytopathologica, v. 36, n. 1, p. 51-56, 2010.

MA, J. F.; MIYAKE, Y., TAKAHASHI, E. Silicon as a beneficial element for crop plant. In: DATNOFF, L.E.; SNYDER, G.H., KORNDÖRFER, G.H. (ed.). Silicon in agriculture. Amsterdam: Elsevier Science, 2001. p. 17-39.

MARTINS, J. K. D. et al. Avaliação da produtividade do pepino conduzido em sistemas de tutoramento horizontal e vertical com e sem consórcio com amendoim em Rondônia. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 15 n. 27, p. 151, 2018.

MEENA, V. et al. A case for silicon fertilization to improve crop yields in tropical soils. Proceedings of the National Academy of Sciences, India: Section B: Biological Sciences, v. 84, n. 3, p.505–518, 2014.

MIYAKE, Y.; TAKAHASHI, E. Effect of silicon on the growth of cucumber plants in a solution culture. Journal Soil Science Plant Nutrition, v.53, p. 15-22, 1982.

MONTES R. M., MONTES, S. M. N. M.; RAGA, A. O uso do silício no manejo de pragas. São Paulo: Instituto Biológico—APTA, 2015. Documento Técnico, n. 17, p. 1-13.

PINTO, D. G. et al. Alterações fisiológicas após aplicação de silício em cacau e sua influência na preferência por pulgões. Revista Ceres, Viçosa, MG, v. 59, n. 3, p. 360-367, 2012.

PRADO, R. M. Resposta da cana-de-açúcar à aplicação de escória silicatada como corretivo de acidez do solo. 2000. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Faculdade de Engenharia da Universidade Estadual Paulista, Ilha Solteira, 2000.

REIS, T. H. P. et al. O silício na nutrição e defesa de plantas. Boletim Técnico, v. 82, Belo Horizonte, 2007.

CORREA, R. S. B. et al. Silicon and acibenzolar-s-methyl as resistance iducers in cucumber, against the whitefly Bemisia tabaci (Gennadius) (Hemiptera: Aleyrodidae) biotype B. Neotropical Entomology, v. 34, n. 3, p.v429-433, 2005.

SAMUELS, G. J. et al. A synopsis of Nectria subg Dialonectria. Mycological Papers, v. 164, p. 1-47, 1991.

SANTOS, B. H. C. dos et al. Silicato de cálcio e magnésio no controle de Meloidogyne javanica em pepineiro em diferentes texturas de solo. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável, v.8, n. 1, p. 104-109, mar. 2018.

SEDIYAMA, M. A. N. et al. Manejo da poda em plantas de pepino tipos Aodai, Japonês e Caipira. Horticultura brasileira, v. 30, n. 2, jul. 2012.

SILVA, A. M. Q. Respuesta a las aplicaciones de silicio en el cultivo de pepino (Cucumis sativus L) variedad modan, en condiciones de estrés hídrico bajo cubierta en culiacán, sinaloa. 2016. Tesis (Engenharia Agrônoma) – Universidad de Ciencias Aplicadas y Ambientales U.D.C.A, Facultad de Ingenierías, Bogotá, 2016.

TAVARES, L. C. et al. Adubação silicatada em trigo: qualidade e rendimento de sementes. Revista Faculdade Agronomica, v. 113, n. 1, p. 94-99, 2014.

TEODORO, P. E. et al. Desempenho de híbridos de milho sob aplicação foliar de Silício no cerrado sul-mato-grossense. Bioscince journal, Uberlandia, v. 30, supplement 1, p. 224-231, 2014.

TUNES, L. V. M. de et al. Qualidade fisiológica, sanitária e enzimática de sementes de arroz irrigado recobertas com silício. Revista Ceres, Viçosa, MG, v. 61, n.5, p. 675-685, set/out, 2014.

ZARGAR, S. M. et al. Role of silicon in plant stress tolerance: opportunities to achieve a sustainable cropping system. Biotech, v. 9, n. 73, 2019.

ZHU, Y., GONG, H. Beneficial effects of silicon on salt and drought tolerance in plants. Agronomy for Sustainable Development, v. 34, p. 455–472, 2014.
Publicado
2021-08-31