TRILHAS: motivações e percepções dos participantes de um grupo do estado do Rio de Janeiro

motivations and perceptions of participants in a group from the state of Rio de Janeiro

Palavras-chave: Atividades de lazer, Motivações, Percepção

Resumo

O objetivo foi verificar os motivos e percepções dos componentes de um grupo de adeptos à prática de trilha no estado do Rio de Janeiro formado a partir de um perfil de uma rede social. Trata-se de uma pesquisa quantitativa e sua análise foi realizada a partir do núcleo central das representações sociais. O estudo contou com praticantes de trilha de ambos os sexos, no entanto a grande maioria é de mulheres e com ensino superior completo. Os praticantes estão motivados pela vontade de estar em contato com a natureza. A trilha é representada pela natureza e o condicionamento físico. Já a atividade física ficou associada à saúde e ao condicionamento físico.

Biografia do Autor

Ana Carla Nunes, UNISUAM

Graduação em Educação Física Licenciatura pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), RJ, Brasil

Diogo Gonçalves de Souza de Oliveira, UNIABEU

Mestrado em Educação Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), RJ, Brasil. Graduação em Educação Física Licenciatura pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), RJ, Brasil.

Giannina Maria do Espirito Santo Wildhagen, UNISUAM

Doutorado, Mestrado e Graduação em Educação Física pela Universidade Gama Filho (UGF), RJ, Brasil.

Referências

ANTUNES, P. de C.; SILVA, A. M.; BAPTISTA, T. J. R. Corpo e saúde na produção acadêmica da educação física brasileira: um estudo centrado na meia idade. Motrivivência, Florianópolis, ano 25, n. 41, p. 176-189, dez. 2013. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/view/2175-8042.2013v25n41p176. Acesso em: 02 mai. 2020.

ARMAS, C. A. de; INÁCIO, H. L de D. Seres humanos e natureza: o lazer como mediação. Licere, Belo Horizonte, v. 13, n. 2, p. 1-29, jun. 2010.

BAPTISTA, T. J. R; ZANOLLA, S. R. S. Corpo, Estética e ideologia: um diálogo com a ideia de beleza natural. Movimento, Porto Alegre, v. 22, n. 3, p. 999-1010, jul./set. 2016. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/1153/115347695024.pdf. Acesso em: 24 jul. 2020.

BASTOS, L. G. V. Corpografias: entre o analógico e o digital. 2008. Tese (Doutorado em Comunicação) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

CARDOSO, F. L.; MARINHO, A.; PIMENTEL, G. G. A. Questões de gênero em universitários praticantes de esportes de aventura. Revista da Educação Física: UEM, [S. l.], v. 24, n. 4, p. 597-608, 2013.

CARDOSO, A. R.; SILVA, A.; FELIPE, G. R. A educação pela aventura: desmistificando sensações e emoções. Motriz: revista de Educação Física, Rio Claro, v. 12, n. 1, p. 77-87, 2006. Disponível em: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/motriz/article/view/64/45. Acesso em: 01 mai. 2020.

DALL’OGLIO, O. T.; SHENG, L. Y.; BENITEZ, N. H. M. Perfil dos visitantes do Parque dos Buritis, município de Lucas do Rio Verde-MT. Nativa, Sinop, v. 5, n. 2, p. 107-113, mar./abr. 2017. Disponível em: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/nativa/article/view/4296.
Acesso em: 01 maio 2020.

DUMAZEDIER, J. Sociologia empírica do lazer. 2. ed. São Paulo: Perspectiva: SESC, 1999.

ELIAS, N. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

ESPÍRITO-SANTO, G.; MOURÃO, L. Representações de saúde, exercício físico e lazer de jovens moradores da comunidade da matriz. Revista Augustus, Rio de Janeiro, v. 17, n. 37, p. 28-57, 2012.

FERRARI, R. D. et al. Corpos, identidade e fotografia na modernidade digital. Motrivivência, Florianópolis, ano 24, n. 38, p. 262-269, jun. 2012. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/view/2175-8042.2012v24n38p262/22979. Acesso em: 02 maio 2020.

FIGUEIREDO, J. P.; SCHWARTZ, G. M. Atividades de aventura e educação ambiental como foco nos periódicos da área de educação física. Motriz: revista de Educação Física, Rio Claro, v. 19 n. 2, p. 417-419, abr./jun. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1980-65742013000200024&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 30 abr. 2020.

GOMES, O. C.; ISAYAMA, H. F. Corridas de aventura e lazer: um percurso analítico para além das trilhas. Motriz: revista de Educação Física, Rio Claro, v. 15, n. 1, p. 69-78, jan./mar. 2009. Disponível em: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/motriz/article/view/1472/2219. Acesso em: 01 maio 2020.

LAVOURA, T. N.; SCHWARTZ, G. M.; MACHADO, A. A. Aspectos emocionais da prática de atividades de aventura na natureza: a (re)educação dos sentidos. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 119-127, abr./jun. 2008. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rbefe/article/view/16687. Acesso em: 01 maio 2020.

LUCENA, A. B.; SILVA, P. P. C.; BRASILEIRO, M. D. S. A prática do kitesurf e o universo da preservação ambiental. Licere, Belo Horizonte, v. 16, n. 1, p. 1-18, mar. 2013. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/licere/article/view/678. Acesso em: 12 mai. 2020.

LUIZ, F. B.; TEIXEIRA, J. C. A. Acessibilidade de idosos e as unidades de conservação: reflexões rumo à democratização dos espaços públicos de lazer. Revista Turismo: visão e ação, v. 18, n. 1, p. 164-192, jan./abr. 2016. Disponível em: http://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rtva/article/viewFile/8601/4830. Acesso em: 06 mai. 2020.

LUPTON, D. “Desenvolvendo-me por inteiro”: cidadania, neoliberalismo e saúde contemporânea no currículo da educação física. Movimento, Porto Alegre, v. 9, n. 3, p. 11-31, set./dez. 2003.

MAFFESOLI, M. No fundo das aparências. Petrópolis: Vozes, 1996.

MARINHO, A. Lazer, aventura e risco: reflexões sobre atividades realizadas na natureza. Movimento, Porto Alegre, v. 14, n. 2, p. 181-206, maio/ago. 2008. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/5756. Acesso em: 06 mai. 2020.

MATSUDO, S. M. M. Envelhecimento, atividade física e saúde. BIS: Boletim do Instituto de Saúde, São Paulo, n. 47, p. 76-19, abr. 2009. Disponível em: http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-18122009000200020&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 23 abr. 2020.

MOREIRA, J. C. C.; SCHWARTZ, G. M. “Caminho da fé”: reflexões sobre lazer e ambiência. Motriz: revista de Educação Física, Rio Claro, v. 16, n. 3, p. 559-570, jul./set. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/motriz/v16n3/a03v16n3.pdf. Acesso em: 13 mai. 2020.

MOURA D. L.; SOARES A. J. G. Esporte de risco e risco no esporte: uma análise do risco no voo livre. Revista da Educação Física: UEM, [S. l.], v. 25, n. 1, p. 53-65, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-30832014000100053&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em 05 mai. 2020.

PAIXÃO, J. A. et al. Risco e aventura no esporte na percepção do instrutor. Psicologia & Sociedade, [S. l.], v. 23, n. 2, p. 415-425, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v23n2/a23v23n2.pdf. Acesso em: 30 abr. 2020.

PALMA, A. Educação Física, corpo e saúde: uma reflexão sobre outros “modos de olhar”. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, [S. l.], v. 22, n. 2, p. 23-39, jan. 2001. Disponível em: http://revista.cbce.org.br/index.php/RBCE/article/view/410/384. Acesso em: 02 maio 2020.

PALMA, A.; VILAÇA, M. M. O sedentarismo da epidemiologia. Revista brasileira de ciências do esporte, Campinas, v. 31, n. 2, p. 105-119, jan. 2010. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4013/401338541008.pdf. Acesso em: 24 jul. 2020.

PEREIRA, A. S.; PIMENTEL, G. G. A.; LARA, L. M. Atividades físicas de aventura na natureza: relações entre estilo de vida aventureiro e modo de vida rural para a melhoria da qualidade de vida. Iniciação Científica CESUMAR, v. 6, n. 2, p. 112-119, jul./dez. 2004. Disponível em: http://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/iccesumar/article/view/91. Acesso em: 11 maio 2020.

SÁ, C. P. de. Núcleo central das representações sociais. Petrópolis: Vozes, 2002.

SCHWARTZ, G. M. et al. Estratégia de participação da mulher nos esportes de aventura. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, [S. l.], v. 38, n. 2, p. 156-162, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbce/v38n2/0101-3289-rbce-38-02-0156.pdf. Acesso em: 30 abr. 2020.

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE (Rio de Janeiro). Mapeamento da cobertura vegetal e do uso das terras do Município do Rio de Janeiro. Prefeitura da cidade do Rio de Janeiro, Rio de janeiro, 2020. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/web/smac/exibeconteudo?article-id=2367969. Acesso em: 06 maio 2020

SPINK, M. J. Psicologia social e saúde. Petrópolis: Vozes, 2003.

SPINK, M.; ARAGAKI, S. S.; ALVES, M. P. Da exacerbação dos sentidos no encontro com a natureza: contrastando esportes radicais e turismo de aventura. Psicologia: reflexão e crítica, v. 18, n. 1, p. 26-38, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prc/v18n1/24814.pdf. Acesso em: 09 maio 2020.

SZEREMETA, B.; ZANNIN, P. H. T. A importância dos parques urbanos e áreas verdes na promoção da qualidade de vida em cidade. Revista Ra'e Ga: Espaço Geográfico em Análise, Curitiba, v. 29, p. 177-193, dez. 2013. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/raega/article/view/30747. Acesso em: 10 maio 2020.

TAHARA, A. K.; CARNICELLI FILHO, S. Atividades físicas de aventura na natureza (AFAN) e academias de ginástica: motivos de aderência e benefícios advindos da prática. Movimento, Porto Alegre, v. 15, n. 3, p. 187-208, jul./set. 2009. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/4917. Acesso em: 07 maio 2020.

VAZ, J. M. et al. Percepções de competências profissionais de instrutores de atividades de aventura na natureza atuantes em Florianópolis/SC. Movimento, Porto Alegre, v. 23, n. 1, p. 295-310, jan./mar. 2017. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/Movimento/article/viewFile/66064/41033. Acesso em: 23 mar. 2020.
Publicado
2021-03-01