MODELAGEM DA VAZÃO E ANÁLISE DO ESCOAMENTO NA ÁREA DE RECARGA DE UMA NASCENTE INSERIDA NA BACIA DO RIO VERDE

Palavras-chave: Uso e cobertura da terra, Relevo, Escoamento base, Período de depleção

Resumo

Entender a dinâmica da água em áreas de recarga de nascentes é extremamente importante, pois são precursoras dos cursos d’água. Objetivou-se a caracterização da área de recarga da nascente F1 e a modelagem de sua vazão. Localiza-se na Fazenda Experimental UninCor em Três Corações, MG. Para a delimitação da área de recarga e obtenção da declividade foi utilizado o MDE SRTM com resolução espacial de 30 m, para a classificação do uso e cobertura da terra utilizou-se uma imagem do CBERS-4. A vazão foi avaliada em associação a área de recarga, relevo e uso e cobertura da terra. Realizou-se o monitoramento semanal da vazão entre abril e setembro de 2019, avaliando-se o deflúvio, vazão média, rendimento específico e a modelagem da vazão. O uso do solo predominante é a pastagem degradada (91,98%). O relevo predominante é o ondulado (83,20%), declividade média de 15,16% e altitude média de 935,8 m. A vazão no início do período de depleção (Qt) foi de 1,35 l.s-1 e no final (Qt0) foi de 0,07 l.s-1. Embora haja a necessidade de estudos complementares, fica evidente a influência negativa do uso do solo na geração do escoamento, fatos comprovados com a relação Qt/Qt0 de apenas 5,20%, aliado ainda ao coeficiente de depleção α igual a -0,02211. A precipitação total no período analisado foi de 929,28 mm, o deflúvio total igual a 225,58 mm e a participação do deflúvio base no total precipitado (Db/P) foi de 24,27%.

Biografia do Autor

Israel Luiz da Silva, UNINCOR

Graduando em Agronomia pela Universidade Vale do Rio Verde (UNINCOR), MG, Brasil

Alisson Souza de Oliveira, UNINCOR

Pós-Doutorado em Análise de Tendências Climáticas na Precipitação e Temperatura do Ar pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), MG, Brasil. Doutorado e Mestrado em Recursos Hídricos pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), MG, Brasil. Graduação em Agronomia pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), MG, Brasil. Professor de Agrometeorologia e Climatologia na Universidade Vale do Rio Verde (UNINCOR), MG, Brasil.

Rosângela Francisca de Paula Vitor Marques, UNINCOR

Doutorado em Recurso Hídricos em Sistemas Agrícolas pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), MG, Brasil. Mestrado em Recursos Hídricos pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), MG, Brasil. Graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), MG, Brasil.

Referências

ALVARENGA, A. P. et al. Sobrevivência e crescimento inicial de espécies arbóreas nativas na restauração de nascentes no Sul de Minas Gerais. Enciclopédia BIOSFERA Centro Científico Conhecer - Goiânia, Goiânia, v. 13, n. 23, p. 1239-1250, 2016.

ALVARENGA, C. C. et al. Índice de qualidade do solo associado à recarga de água subterrânea (IQSRA) na bacia hidrográfica do Alto Rio Grande, MG. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, v. 36, n. 5, p. 1608-1619, nov. 2012.

BRASIL. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nºs 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nºs 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória nº 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2012.

COHENCA, D.; CARVALHO, R. Comparação de métodos de classificação OBIA, máxima verossimilhança e distância mínima em imagem OLI/Landsat-8 em área de alta diversidade de uso do solo. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO – SBSR, 17., João Pessoa. Anais [...]. João Pessoa: INPE, 2015.

CASTANY, G. Traité pretiquedes eaux souterraines. 2. ed. Paris: Dunod, 1967.

COSTA, F. M.; BACELLAR, A. P. Caracterização hidrogeológica de aquíferos a partir do fluxo de base. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, Ouro Preto, v. 15, n. 3, p. 173-183, jul./set. 2010.

DIAS, L. S. O. et al. Utilização do radar interferométrico para delimitação automática de bacias hidrográficas. Bahia Análise & Dados, Salvador, v. 4, n. 2, p. 265-271, set. 2004.

GASPAR, M. T. P.; CAMPOS, J. E. G.; CADAMURO; A. L. M. Condições de infiltração em solos na região de recarga do sistema aquífero Urucuia no oeste da Bahia sob diferentes condições de usos. Revista Brasileira de Geociências, [S. l.], v. 37, n. 3, p. 542-550, set. 2007.

GOMES, F. C. E. et al. A nova legislação ambiental brasileira e seus efeitos sobre a reestruturação de nascentes e remanescentes florestais. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v. 38, p. 1-10, 2018.

SILVA, A. L. et al. Caracterização hidrológica de nascentes de sub-bacias hidrográficas na região do Alto Rio Grande, MG. Revista Agrogeoambiental, Pouso Alegre, v. 10, n. 3, set. 2018.

LEAL, M. S. et al. Caracterização hidroambiental de nascentes. Rev. Ambient. Água, [S. l.], v. 12, n. 1, p. 146-155, 2017.

MENEZES, M. D. Levantamento de solos em bacias hidrográficas como apoio para avaliação do uso da terra e da potencialidade de recarga dos aquíferos. 2007. 107 p. Dissertação (Mestrado em Ciência do Solo) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2007.

OLIVEIRA, A. S. et al. Streamflow regime of springs in the Mantiqueira mountain range region, Minas Gerais State. CERNE, [S. l.], v. 20, p. 343-349, 2014.

SALEMI, L. F. et al. Consequências hidrológicas da mudança de uso da terra de floresta para pastagem na região da floresta tropical pluvial atlântica. Ambi-Agua, Taubaté, v. 7, n. 3, p. 127-140, 2012.

SOBRINHO, T. A. et al. Delimitação automática de bacias hidrográficas utilizando dados SRTM. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, v. 30, n. 1, p. 46-57, jan./fev. 2010.

USAE. Engineering and design – groundwater hydrology. Washington: Department of the Army: US Army corp sof Engineers, 1999.
Publicado
2020-10-15