NARRATIVAS SOBRE O PROCESSO VIDA E MORTE MARGINAL DURANTE A PANDEMIA POR COVID-19

Palavras-chave: Luto, Pandemia, Fatores Psicológicos, Morte

Resumo

As pandemias são epidemias de larga escala que se espalham pelo mundo. Nas últimas semanas, a população e os governos de todo o mundo têm dedicado esforços para frear o rápido avanço da pandemia de Covid-19, que infectou pessoas em 169 países. Além de mortes, problemas econômicos e o colapso dos sistemas de saúde dos países afetados, o espalhamento da pandemia provocou pânico generalizado. No entanto, notavelmente pouca atenção tem sido dedicada aos fatores psicológicos que influenciam a propagação da infecção pandêmica e o sofrimento emocional associado e a ruptura social e as perdas associadas aos fatores de vulnerabilidade psicológica que contribuem para a disseminação de doenças e angústias. O presente artigo objetivou analisar e refletir sobre o medo, a ansiedade e a falta do rito da finalização da vida, afetando psicologicamente quem perde seus entes queridos sem o direito a despedida, perpetuando o luto. Muitos não estão sendo aceitos socialmente, desencadeando sofrimentos secundários e colaterais, os denominados lutos marginais e necessitam de urgentes ações de políticas públicas de apoio psicológicos pois, notadamente pouca atenção tem sido dedicada a este sofrimento.

Biografia do Autor

Marco Orsini, UNIG

Médico com Doutorado em Neurologia pela UFF e Pós-Doutorado pela UFRJ. Vice-Coordenador do Departamento de Neurologia da Associação Médica Fluminense - AMF - Niterói. Membro Titular da Academia Brasileira de Neurologia. Editor in Chief of Neurological Science Journal. Professsor da Faculdade de Medicina da Universidade Iguaçu. Grupo de Pesquisa da UNIG "Envelhecimento em Saúde". Diretor Científico - ABRELA- SP filiada à ALS Association. Professor Titular da Universidade de Vassouras - Vassouras - RJ-Brasil.

José Teixeira de Seixas Filho, UNISUAM
Pós-doutorado em Bioquímica e Enzimologia pelo Instituto de Biotecnologia Aplicada à Agropecuária da Universidade Federal de Viçosa (UFV), Viçosa, Minas Gerais, Brasil
Renata Rodrigues Teixeira de Castro, UNIG

Graduada em Medicina pela Universidade Federal Fluminense (2000), concluiu residência em Clínica Médica no Hospital Geral de Nova Iguaçu (Ministério da Saúde) e é especialista em Medicina do Exercício e Cardiologia (títulos de especialista emitidos pelas respectivas sociedades). Mestre em Cardiologia pela Universidade Federal Fluminense (2003) e Doutora em Fisiopatologia Clínica e Experimental, na área de cardiologia clínica, pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2010). Professora adjunta de medicina da Universidade Iguaçu, professora convidada do programa de pós-graduação em Ciências Cardiovasculares da Universidade Federal Fluminense. Coordena pesquisas em cardiologia clínica e do exercício na Universidade Iguaçu e no Hospital Naval Marcílio Dias.

Marco Antônio Araújo Leite, UFF

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal Fluminense (1989), mestrado em Medicina (Neurologia) pela Universidade Federal Fluminense (1996) e doutorado em Medicina (Neurologia) pela Universidade Federal Fluminense (2009). Professor Adjunto do Depto de Medicina Clínica, da Faculdade de Medicina da Universidade Federal Fluminense.

Referências

ALVARES, I. População de desabrigados está entre as mais vulneráveis a COVID 19. Diário de Pernambuco, 6 abr. 2020. Notícia de Brasil. Cenário. Disponível em: https://www.diariodepernambuco.com.br/noticia/brasil/2020/04/populacao-de-desabrigados-esta-entre-as-mais-vulneraveis-a-covid-19.html. Acesso em: 11 maio 2020.

ARAÚJO, F. A. Morte sem corpo e sem sepultura: notas sobre desaparecimento forçado hoje. In: Reunión de Antropología del Mercosur, 8., 2009, Buenos Aires. Anais [...]. Buenos Aires: [S. n.], 2009.

BETTIZA, S. Coronavírus: a dor das famílias proibidas de enterrar seus mortos na Itália. BBC News Brasil, 25 mar. 2020. BBC World Service. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-52025235. Acesso em: 10 maio 2020.

BORGES, A. D. V. S. et al. Percepção da morte pelo paciente oncológico ao longo do desenvolvimento. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, n. 2, p. 361-369, maio/ago. 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-73722006000200015&script=sci_arttext. Acesso em: 26 maio 2020.

CHARLEAUX, J. P. Luto, medo e ansiedade: o sofrimento psicológico na pandemia. Nexo, 13 abr. 2020. Entrevista. Documento atualizado em 15 maio 2020. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/entrevista/2020/04/13/Luto-medo-e-ansiedade-o-sofrimento-psicol%C3%B3gico-na-pandemia. Acesso em: 10 maio 2020.

DIAS, Bruno C. Pandemia do COVID 19 e um Brasil de desigualdades: populações vulneráveis e o risco de um genocídio relacionado a idade. [S. l.]: ABRASCO, 2020. Assinam este documento: Alexandre Kalache (ILC Brasil), Alexandre Silva (Faculdade de Medicina de Jundiaí e ILC Brasil), Luiz Ramos (UNIFESP), Marilia Louvison (Faculdade de Saúde Pública da USP e ILC Brasil), Renato Veras (UNATI /UERJ e RBGG), Kenio Lima (UFRN e RBGG). Disponível em: https://www.abrasco.org.br/site/gtenvelhecimentoesaudecoletiva/2020/03/31/. Acesso em: 11 maio 2020.

FÄRBER, S. S. Lutos marginais e lutos desautorizados, ritos negados e omitidos. Protestantismo em Revista, São Leopoldo, v. 32, p. 3-14, set./dez. 2013. Disponível em: http://periodicos.est.edu.br/index.php/nepp/article/view/1119/1058. Acesso em: 26 maio 2020.

FERRARI, A.; CUNHA, A. M. A pandemia de Covid-19 e o isolamento social: saúde versus economia. Porto Alegre: UFRGS, 2020. Criado em 28 mar. 2020, atualizado em 30 mar. 2020. Disponível em: https://www.ufrgs.br/coronavirus/base/artigo-a-pandemia-de-covid-19-e-o-isolamento-social-saude-versus-economia/. Acesso em: 09 maio 2020.

FINEBERG, I. C. Preparing professionals for family conferences in palliative care: evaluation results of an interdisciplinary approach. Journal of Palliative Medicine, v.8, n. 4, p. 857-866, Aug. 2005.

KOVÁCS, M. J. Desenvolvimento da Tanatologia: estudos sobre a morte e o morrer. Ribeirão Preto. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 18, n. 41, p. 457-468, set./dez. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/paideia/v18n41/v18n41a04.pdf. Acesso em: 26 maio 2020.

KÜBLER-ROSS, E. Sobre a morte e o morrer. P. Menezes, Trad. São Paulo: Martins Fontes. 1998.

LIMA, J. D. Por que as periferias são mais vulneráveis ao coronavírus. Nexo, 18 mar. 2020. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2020/03/18/Por-que-as-periferias-s%C3%A3o-mais-vulner%C3%A1veis-ao-coronav%C3%ADrus. Acesso em: 08 maio 2020.

NATALINO, M. A. C. Estimativa da população em situação de rua no Brasil. Brasília: IPEA, 2016. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=28819. Acesso em: 11 maio 2020.

OLIVEIRA R. A história nos ensinou que as pessoas são resilientes. Pública, 24 mar. 2020. Disponível em: https://apublica.org/2020/03/a-historia-nos-ensinou-que-as-pessoas-sao-resilientes-diz-autor-do-livro-a-psicologia-da-pandemia/. Acesso em: 11 maio 2020.

SCHMIDT, B.; GABARRA, L. M.; GONÇALVES, J. R. Intervenção psicológica em terminalidade e morte: relato de experiência. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 21, n. 50, p. 423-430, set./dez. 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/paideia/v21n50/15.pdf. Acesso em: 27 maio 2020.

SILVA, W. A dor da falta de despedida em tempos de isolamento social. Folha de Pernambuco, 11 abr. 2020. Notícias. Coronavírus. Disponível em: https://www.folhape.com.br/noticias/noticias/coronavirus/2020/04/11/NWS,136817,70,1668,NOTICIAS,2190-A-DOR-FALTA-DESPEDIDA-TEMPOS-ISOLAMENTO-SOCIAL.aspx. Acesso em: 09 maio 2020.

SOARES, M. Cuidando da família de pacientes em situação de terminalidade internados na unidade de terapia intensiva. Rio de Janeiro, Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 19, n. 4, p. 481-484, out./dez. 2007.

TAYLOR, S. The psychology of pandemics preparing for the next global outbreak of infectious disease. London: Cambridge Scholars Publishing, 2019. 175 p.
Publicado
2020-06-03