(RE)INVENTAR EDUCAÇÃO ESCOLAR NO BRASIL EM TEMPOS DA COVID-19

Palavras-chave: Pandemia, COVID-19, Educação escolar, Ensino a distância, Resiliência

Resumo

As portas das escolas foram fechadas de forma abrupta, a suspensão das aulas não estava prevista no planejamento escolar, aconteceu motivada por um fator externo: a pandemia da COVID-19. Profissionais da educação, estudantes e familiares se inquietaram. As informações oficiais eram, não poucas vezes, desencontradas. O que realmente estava acontecendo? Sem previsão de retorno das aulas presenciais o MEC propôs o ensino a distância, inclusive para a Educação Básica. Mas como isso se daria? Essa modalidade de ensino seria acessível a todos os estudantes e professores? Seria computada no calendário escolar? Essas e muitas outras perguntas estavam sem respostas, o que acabou por gerar uma situação de ansiedade e insegurança no contexto escolar. É em meio a esse cenário de interrogações que esse ensaio se propõe a refletir sobre alguns dos impactos da COVID-19 na educação escolar brasileira. Alinhavado com muito mais perguntas que respostas, busca-se pensar sentidos e valores que possam promover a resiliência contribuindo para a reconstrução da vida e (re)invenção da profissão docente e da educação escolar em meio à adversidade dos dias atuais.

Biografia do Autor

Sandrelena da Silva Monteiro, UFJF

Pedagoga (2001), Mestre em Educação(2003), Doutora em Educação (2014) pela Universidade Federal de Juiz de Fora (FACED/PPGE/UFJF). Professora do Departamento de Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora. Coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação e Diversidade (NEPED/FACED/UFJF). Coordenadora do Grupo ACOLHE: estudos e pesquisas em Educação Desenvolvimento e Integralidade Humana (ACOLHE/NEPED/FACED/UFJF). Experiência na área de Educação, com ênfase em Formação de Professores, atuando principalmente nos seguintes temas: educação infantil, formação de professores, educação inclusiva, educação e inclusão, educação e espiritualidade.

Referências

BECKER, F.; MARQUES, T.B.I. (org.) Ser professor é ser pesquisador. Porto Alegre: Mediação, 2010.

BERGSON, H. O Pensamento e o movente. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BERGSON, H. A energia espiritual. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2009.

BERGSON, H. Ensaio sobre os dados imediatos da consciência. Lisboa: Edições 70, 1988.

BRASIL. Decreto Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 13 abr. 2020.

BRASIL. Portaria n° 343, de 17 de março de 2020. Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação de pandemia do Novo Coronavírus - COVID-19. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2020a. Disponível em: http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-343-de-17-de-marco-de-2020-248564376 Acesso em 13 de abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Nota de Esclarecimento. O Conselho Nacional de Educação (CNE), considerando as implicações da pandemia da COVID-19 no fluxo do calendário escolar, tanto na educação básica quanto na educação superior, vem a público elucidar aos sistemas e às redes de ensino, de todos os níveis, etapas e modalidades, que porventura tenham necessidade de reorganizar as atividades acadêmicas ou de aprendizagem em face da suspensão das atividades escolares por conta de ações preventivas à propagação da COVID-19. Brasília, DF: Conselho Nacional de Educação, 18 de março de 2020b. Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/documentos/CNE%20%20Nota%20de%20Esclarecimento%20(1).pdf. Acesso em: 13 abr. 2020.

CETIC.BR. TIC Domicílios 2018. Disponível em: https://www.cetic.br/tics/domicilios/2018/domicilios/A4/. Acesso em: 13 abr. 2020.

FRANCISCO, M. V.; COIMBRA, R. M. Resiliência em-si na perspectiva da teoria histórico-cultural: rompendo com visões neoliberais. In: COIMBRA, R. M.; MORAIS, N. A. de (org.). A resiliência em questão: perspectivas teóricas, pesquisa e intervenção. Porto Alegre: Artmed, 2015. p. 57-82.

FRANKL, V. E. Em busca de sentido: um psicólogo no campo de concentração. Petrópolis: Vozes, 2008.

FRANKL, V. E. O que não está escrito nos meus livros: memórias. São Paulo: É Realizações Editora, 2010.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática docente. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. São Paulo/Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 2016.

JUIZ DE FORA (MG). Conselho Municipal de Educação. Carta de Esclarecimento n°01/2020, em 7 de abril de 2020. Esclarecimentos e orientações aos estabelecimentos do Sistema Municipal de Ensino, sobre a necessidade de ações educativas e preventivas frente à pandemia COVID-19. Disponível em: https://www.pjf.mg.gov.br/conselhos/cme/parecer_n17.pdf. Acesso em: 13 de abr. 2020.

KNOP, M. F. T. Exclusão digital, diferenças no acesso e uso de tecnologias de informação e comunicação: questões conceituais, metodológicas e empíricas. Caderno Eletrônico de Ciências Sociais, Vitória, v. 5, n. 2, p. 39-58, 2017. Disponível em: http://periodicos.ufes.br/cadecs/article/view/19437. Acesso em: 14 abr. 2020.

MINAS GERAIS. Conselho Estadual de Educação. Nota de Esclarecimento e Orientações 01/2020. O Conselho Estadual de Educação do Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições, vem, a público, esclarecer e orientar a reorganização das atividades escolares do Sistema Estadual de Ensino de Minas Gerais, devido à pandemia COVID-19. Belo Horizonte, 26 de março de 2020. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1Zg_iPGLzUYJAUkP92latpgtcuBycf08e/view. Acesso em: 13 abr. 2020.

MODELSKI, D.; GIRAFFA, L. M.M.; CASARTELLI, A. de. Tecnologias digitais, formação docente e práticas pedagógicas. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 45, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ep/v45/1517-9702-ep-45-e180201.pdf. Acesso em 14 de abr. 2020.

NÓVOA, A. Os professores na virada do milênio: do excesso dos discursos à pobreza das práticas. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 11-20, 1999.

PERRENOUD, P. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SAYEGH, A. Bergson: o método intuitivo, uma abordagem positiva do Espírito.
São Paulo: Humanitas / FFLCH/USP, 1998.

SCHÖN, D. A. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, A. (org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1997. p. 93-114.

TELES, G.; SOARES, D. M. R.; SENA, T. B. Q. L.; LIMA, L. de; LOUREIRO, R. C. Docência e Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação: matrizes curriculares das licenciaturas. In: Congresso sobre Tecnologia na Educação, 3., 2018, Fortaleza. Resumos [...] Fortaleza: Cultura Maker na Escola, 2018. p. 57-67. Disponível em: http://ceur-ws.org/Vol-2185/CtrlE_2018_paper_12.pdf. Acesso em 14 de abr. 2020.

TREVISAN, R. M. Bergson e a Educação. Piracicaba: Editora Unimep, 1995.
Publicado
2020-06-03