O USO DE PARÓDIAS NO ENSINO DE BIOLOGIA: relato de experiência

Palavras-chave: Paródias, Relato de experiência, Aprendizagem significativa, Ensino de biologia

Resumo

O aprendizado de tópicos em biologia requer o entendimento de nomenclatura específica e não coloquial. As paródias podem aproximar a semântica cultural do aluno aos termos próprios da biologia, promovendo a aprendizagem significativa. O uso de paródias foi analisado durante dois anos (2017-2019) em turmas de ensino fundamental e médio de cinco escolas públicas. Concluímos que a paródia é um instrumento didático de rememoração dos significados e da nomenclatura própria da biologia. É uma metodologia de baixo custo que trabalha de forma criativa conceitos não coloquiais e os significados associados. Entretanto, a paródia em si não gera motivação intrínseca sendo fundamental a exposição incisiva do professor trazendo segurança para o aluno e credibilidade à proposta didática.

Biografia do Autor

Beatriz dos Santos Paixão, UFJF

Mestrado Profissional em Ensino de Biologia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), MG, Brasil. Pós-Graduação em Educação e Gestão Ambiental pelo Instituto Superior de Educação Ateneu (ISEAT), ES, Brasil.

Rodrigo Hohl, UFJF

Pós-doutorado em Ciência do Esporte pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), SP, Brasil. Pós-doutorado fellow pelo Sports Science Institute of South Africa (SSISA), Cape Town, África do Sul. Pós-doutorado em Psicologia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), MG, Brasil. Doutorado em Biologia Funcional e Molecular pela Universidade Estadual de Campinas(UNICAMP), SP, Brasil. Professor adjunto do Departamento de Fisiologia do Instituto de Ciências Biológicas da (UFJF), MG, Brasil.

Carlos Alberto Mourão Júnior, UFJF

Pós-Doutorado em Estatística no Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), RJ, Brasil. Doutorado em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), SP, Brasil. Mestrado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), MG, Brasil Professor Associado da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), MG, Brasil.

Referências

A BRIÓFITA é pequena. Professora Andréia Fotografia e Biologia, [S. l.], 2010. Disponível em: http://andreia-biologia.blogspot.com/2010/05/briofita-epequena.html. Acesso: 19 jan. 2019.

ALMEIDA, E. F.; OLIVEIRA, E. C.; AQUINO, S. F. Proposta para o ensino de zoologia dos vertebrados a partir de paródias. Revista de Estudos e Pesquisas sobre Ensino Tecnológico (EDUCITEC), [S. l.], v. 3, n. 6, 2017. Disponível em: https://www.sumarios.org/artigo/proposta-para-o-ensino-de-zoologia-dos-vertebrados-partir-de-par%C3%B3dias. Acesso em: 29 jul. 2019.

AUSUBEL, D. P. Psychology of meaningful verbal learning: an introduction to school learning. New York: Grune & Stratton, [1963].

AUSUBEL, D. P. Educational psychology: a cognitive view. New York: Holt, Rinehart and Winston, 1968.

AUSUBEL, D. P. Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Plátano Editora, 2000.

AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Psicologia educacional. 2. ed. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

BARROS, M. D. M.; ZANELLA, P. G.; ARAÚJO-JORGE, T. C. A música pode ser uma estratégia para o ensino de Ciências Naturais? Analisando concepções de professores da educação básica. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, [S. l.], v. 15, n. 1, p. 81-94, jan./abr. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1983-21172013000100081&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 29 jul. 2019.

BIO OS FERAS. Teoria da abiogênese x biogênese. [S. l.], 2019. Disponível em: https://www.facebook.com/pg/BIOOSFERAS-1036053709800173/posts/. Acesso em: 19 jan. 2019.

CATÃO, V. M. C. Música e escola: um estudo sócio-histórico sobre musicalização. Revista Uniabeu, v. 3, n. 5, p. 114-127, set./dez. 2010. Disponível em: https://revista.uniabeu.edu.br/index.php/RU/article/view/61. Acesso em: 29 jul. 2019.

CERBONE, D. R. Fenomenologia. Petrópolis: Vozes, 2012.

CIRANDA DAS ORGANELAS. [S. l.: s. n.], 2012. 1 vídeo (2 min). Publicado pelo canal ryuuw. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=R5a_pRfnp8o. Acesso em: 19 jan. 2019.

COHEN, L.; MANION, L.; MORRISON, K. Research methods in education. 8. ed. London: Routledge, 2017.

FERREIRA, G.; LIMA, M. M. C.; JESUS, R. S. Paródias como estratégia no ensino de biologia com intermediação tecnológica. In: CONGRESSO INTERNACIONAL ABED DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, 19., 2013, Salvador. Anais [...]. Salvador: EMITEC/SEC, 2013. Disponível em: http://www.abed.org.br/congresso2013. Acesso em: 29 jul. 2019.

HASCHER, T. Learning and Emotion: perspectives for theory and research. European Educational Research Journal, [S. l.], v. 9, n. 1, p. 13-28, 2010. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.2304/eerj.2010.9.1.13. Acesso em: 29 jul. 2019.

HIDI, S. Interest: a unique motivational variable. Educational research review, [S. l.], v. 1, n. 2, p. 69-82, 2006. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/223832634_Interest_A_unique_motivational_variable. Acesso em: 29 jul. 2019.

HUSSERL, E. Investigações lógicas: investigações para a fenomenologia e a teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

LENT, R. Cérebro aprendiz: neuroplasticidade e educação. Editora Atheneu, Rio de Janeiro, 2019.

MENDES, I.; BORGES, O. Interesse de estudantes sobre temas de Biologia. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 5., 2005, Bauru. Atas [...]. Bauru: Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 2005. Disponível em: http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/venpec/conteudo/artigos/1/pdf/p364.pdf. Acesso em: 29 jul. 2019.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa: a teoria e textos complementares. São Paulo: Livraria da Física, 2011.

MOREIRA, M. A.; MASINI, E. F. S. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. 2. ed. São Paulo: Centauro, 2011.

SOUZA, J. N. Paródia pteridófitas. [S. l.: s. n.], 2015. 1 vídeo (2 min). Publicado pelo canal {com}Ciência - Profa Juliana Nogueira. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=d08q5pByFGM. Acesso em: 19 jan. 2019.

SOKOLOWSKI, R. Introdução à fenomenologia. São Paulo: Edições Loyola, 2004.
Publicado
2020-10-15