ANÁLISE DA DRENAGEM URBANA COM ÊNFASE NA REDUÇÃO DE RISCOS DE ENCHENTES

  • Carolina de Sousa dos Santos UNISUAM
  • Ana Carolina Rangel UNISUAM
  • José Roberto Moreira Ribeiro Gonçalves UNISUAM
Palavras-chave: Coeficiente de escoamento, Enchentes, Asfalto permeável

Resumo

No presente estudo foi realizado uma análise no planejamento urbano em relação a permeabilidade do solo como forma de reduzir os riscos de enchentes. Também foi avaliado o coeficiente de escoamento superficial (C) principalmente dos estados do Rio de Janeiro e São Paulo e comparado com regiões de mata. Identificou-se que o crescimento acelerado das cidades em comparação ao previsto no plano diretor e seu descaso com o assunto, ocasionaram a estagnação de melhorias referente ao escoamento de água pluvial. E que algumas soluções podem ser implantadas de forma que reduza consideravelmente o volume dessas enchentes e contribua ao reabastecimento dos lençóis freáticos através de asfaltos permeáveis e crescimento de áreas verdes.

Biografia do Autor

José Roberto Moreira Ribeiro Gonçalves, UNISUAM

Mestrado Acadêmico em Engenharia Agrícola e Ambiental pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e docente na UNISUAM, Rio de Janeiro.

Referências

CARMO, Wagner José Elias; MARCHI, Luciana Favalessa De. Uma visão holística do plano diretor de drenagem urbana. Revista Jus Navigandi, Teresina, 22 nov. 2013. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/25944. Acesso em: 23 de junho de 2019.

CHIOSSI, N. J. Geologia aplicada à engenharia. 2 ed. São Paulo: Grêmio Politécnico, 1979.

GAROTTI, Leonardo Monteiro; BARBASSA, Ademir Paceli. Estimativa de área impermeabilizada diretamente conectada e sua utilização como coeficiente de escoamento superficial. Eng. Sanit. Ambient., Rio de Janeiro , v. 15, n. 1, p. 19-28, mar. 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa nacional de saneamento básico: 2000. Rio de Janeiro: IBGE, 2000. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/multidominio/meio-ambiente/9073-pesquisa-nacional-de-saneamento-basico.html?edicao=18098&t=publicacoes. Acesso em: 23 jun. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa nacional de saneamento básico – PNSB: Tabelas – 2008. Rio de Janeiro: IBGE, 2008. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/multidominio/meio-ambiente/9073-pesquisa-nacional-de-saneamento-basico.html?=&t=resultados Acesso em: 23 jun. 2019.

HAGEMANN, Sabrina E. Avaliação da Qualidade da Água da Chuva e da Viabilidade de sua Captação e Uso. 2009. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, 2009.

MARTINS, José Rodolfo Scarati. Gestão da drenagem urbana: só tecnologia será suficiente. DAEE. São Paulo, 2012. Disponível em: http://www.daee.sp.gov.br/outorgatreinamento/Obras_Hidráulic/gestaodrenagem.pdfAcesso em: 24 jun. 2019.

SALE, Hammond; NORRIS, Sabrina. Uma introdução ao sistema de águas pluviais do Rio de Janeiro. RioOnWatch. Rio de Janeiro, 2016.

SÃO PAULO. Secretária Municipal De Desenvolvimento Urbano. Manual de drenagem e manejo de águas pluviais: aspectos tecnológicos: diretrizes para projetos. São Paulo: SDMU, 2012. v. 1, 3.

TUCCI, Carlos E. M. Drenagem urbana. Cienc. Cult., São Paulo, v. 55, n. 4, p. 36-37, 2003. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252003000400020&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 jun. 2019.

TUCCI, Carlos. E; BERTONI, Juan Carlos. Inundações urbanas na América do Sul. Porto Alegre: Associação Brasileira de Recursos Hídricos, 2003.

WILKEN, P. S. Engenharia de drenagem superficial. São Paulo: CETESB, 1978.
Publicado
2019-10-30
Como Citar
de Sousa dos Santos, C., Rangel, A. C., & Gonçalves, J. R. (2019). ANÁLISE DA DRENAGEM URBANA COM ÊNFASE NA REDUÇÃO DE RISCOS DE ENCHENTES. Revista Augustus, 24(48), 146-158. https://doi.org/https://doi.org/10.15202/1981896.2019v24n48p146