A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM TEMPOS (IM)PROVÁVEIS E DE (IN)CERTEZAS: A BNCC EM DISCUSSÃO

A BNCC EM DISCUSSÃO.

Palavras-chave: Base Nacional Comum Curricular – Educação de Jovens e Adultos – Educação Básica – Políticas de Educação

Resumo

O presente texto tem o propósito de problematizar a ausência das orientações curriculares para a modalidade de Educação de Jovens e Adultos, a partir dos debates educacionais e das discussões acerca da Base Nacional Comum Curricular para a formação social e política dos sujeitos da EJA. Com base nos diferentes referenciais legais para a modalidade, apresentamos uma discussão acerca das políticas educacionais para a Educação Básica (especialmente, Ensino Fundamental e Médio) e da implantação da base orientadora das propostas curriculares entre as diversas redes de ensino e instituições escolares em tempos (im)prováveis e (in)certos de avanços revestidos de retrocessos na educação do país.

Referências

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf. Acesso em 20/05/2018.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Proposta preliminar. Segunda versão revista. Brasília: MEC: Abril, 2016. Disponível em: http://historiadabncc.mec.gov.br/#/site/inicio. Acesso em: 15/06/2018.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Proposta preliminar. Primeira versão revista. Brasília: MEC: Setembro, 2015. Disponível em: http://historiadabncc.mec.gov.br/documentos/BNCC-APRESENTACAO.pdf. Acesso em 20/04/2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Brasília: Conselho Nacional de Educação, 2010.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Parecer 11/2000. Brasilia.2000.

BRASIL. Educação de adultos em retrospectiva: 60 anos de CONFINTEA / organizado por Timothy Denis Ireland e Carlos Humberto Spezia. – Brasília: UNESCO, MEC, 2012.

BRASIL. Educação de Jovens e Adultos: uma memória contemporânea, 1996-2004. Organização: Jane Paiva, Maria Margarida Machado e Timothy Ireland. – Brasília: Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do Ministério da Educação: Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br. Acesso em: 01/08/2018.

BRASIL. Lei nº 9.394/1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. DOU 23.12.1996.

BRASIL. Lei Nº 11.494, de 20 de junho de 2007. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação – FUNDEB. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Lei/L11494.htm. Acesso em: 29/07/2018.

BRASIL. Lei 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação PNE e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011- 2014/2014/Lei/L13005.htm. Acesso em: 11 ago. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Conselho Nacional da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica / Ministério da Educação. Secretária de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. – Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

BRASIL. Resolução Nº 3, de 15 de junho de 2010. Institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos nos aspectos relativos à duração dos cursos e idade mínima para ingresso nos cursos de EJA; idade mínima e certificação nos exames de EJA; e Educação de Jovens e Adultos desenvolvida por meio da Educação a Distância. Disponível em: http://confinteabrasilmais6.mec.gov.br/images/documentos/resolucao032010cne.pdf. Acesso em: 03/07/2018.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2017.

KUENZER, Acácia Zeneida. Exclusão includente e inclusão excludente: a nova forma de dualidade estrutural que objetiva as novas relações entre educação e trabalho. In: SAVIANI, D.; SANFELICE, J.L.; LOMBARDI, J.C. (Org.). Capitalismo, trabalho e educação. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2005. p. 77-96.

MACEDO, Elizabeth. “A base é a base”. E o currículo o que é? In: A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Organização: Márcia Angela da S. Aguiar e Luiz Fernandes Dourado [Livro Eletrônico]. – Recife: ANPAE, 2018. p. 545-565.

NAVES, Rubens. Terceiro Setor. Novas possibilidades para o exercício da cidadania. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (orgs). História da Cidadania. São Paulo: Contexto, 2002.

RUMMERT, Sonia. Jovens e adultos trabalhadores e a escola. A riqueza de uma relação a construir. In: FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.(orgs). A experiência do trabalho e a educação básica. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

UNESCO. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: Satisfação das Necessidades Básicas de Aprendizagem, Jomtien, 1990. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org. Acesso em: 05/08/2018.
Publicado
2019-07-09
Como Citar
Ferreira, L. C. (2019). A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM TEMPOS (IM)PROVÁVEIS E DE (IN)CERTEZAS: A BNCC EM DISCUSSÃO. Revista Augustus, 24(47), 9-27. https://doi.org/https://doi.org/10.15202/1981896.2019v24n47p9

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##