AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS E SUAS RELAÇÕES COM O INDÍGENAS

  • André Fontes UNIRIO
Palavras-chave: Negro, Tribos, América

Resumo

Trazidos de diferentes lugares e pertencendo a diferentes grupos étnicos, com tradições e línguas distintas, as levas de escravos e logo os fugitivos e mesmo os libertos criaram novos padrões culturais, alguns deles, a partir de elementos de indubitável ancestralidade africana, outros novos e, muitos, sincretismos de elementos da cultura dominante ou de incorporações ou assimilações indígenas. O presente artigo trata do desenvolvimento das comunidades quilombolas no meio ambiente brasileiro e nas relações de troca com os povos indígenas.

Referências

BALASSA, BELA. Et alii. Uma nova fasede crescimento para a América Latina. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1986.

BALLETTI, Franca. Sapere tecnico sapere locale. Florença: Alinea, 2007.

BECHER, Tony. Tribus y territórios acadêmicos. Trad. Andrea Menegotto. Barcelona: Gedisa, 2001.

BETANCOURT POSADA, Alberto; CRUZ MARÍN, José Efraín. Del saber indígena al saber transnacional. México: UNAM, 2009.

DONATO, Luz Marina. et alii. Mujeres indígenas, territorialidad y biodiversidad en el contexto latinoamericano. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia, 2007.

GONZÁLEZ GRANDIÓN, Ximena Andrea. Legitimación de conocimientos tradicionales. Saarbrücken: Editorial Académica Española, 2011.

GRENIER, Louise. Conocimiento indígena. Trad. Oscar Chavarría Aguilar.Cartago: Editorial Tecnológica de Costa Rica, 1999.

HANNIGAN, John. Sociologia ambiental. Trad. Annahid Burnett. Petrópolis: Vozes, 2009.

KOSZUOSKI, Adriana, Conhecimentos tradicionais. Cuiaba: Carlini & Caniato, 2006.

LAYTON, Robert. Teorie antropologiche. Trad. Stefano Montes. Milão: Il Saggiatore, 2201.

LÓPEZ Y RIVAS, Gilberto. Antropologia, etnomarxismo y compromiso social de los antropólogos. México: Ocean Sur, 2010.

MORAN, Emilio F. OSTROM, Elinor. Ecossistemas florestais. São Paulo: Edusp, 2009.

RAPELA, Miguel Angel. Derechos de propiedad intelectual em vetegales superiores. Buenos Aires: Ciudad Argentina, 2000.
Publicado
2018-12-06