IMPACTO DAS COMUNIDADES DE POBREZA RELATIVA NOS MANGUEZAIS: TRABALHADORES DA PESCA ARTESANAL INVISÍVEIS

  • José Teixeira de Seixas Filho UNISUAM
  • Sílvia Conceição Reis Pereira Mello UNISUAM / Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro
  • Rafael Antunes da Silva Faculdade de Enfermagem Bezerra de Araújo
  • André Luiz Reis Gracio Faculdade de Enfermagem Bezerra de Araújo
Palavras-chave: Meio ambiente, Manguezais, Pesca artesanal

Resumo

O presente trabalho teve por objetivo avaliar a relação do homem com o manguezal, sendo esta muito antiga. Um dos principais problemas causados pelas ações antrópicas sobre os manguezais é justamente o desmatamento. Pelo ponto de vista socioambiental algumas comunidades ribeirinhas mantêm relação de grande dependência com os recursos oferecidos pelos manguezais. Os pescadores artesanais e, sobretudo, pescadoras no trabalho de extração de mariscos, são sujeitos invisíveis pela situação de negligência e desamparo institucional. Estas categorias profissionais que sobrevivem há milênios ainda não conquistaram o direito efetivo à saúde, em especial à saúde do trabalhador. Torna-se urgente a melhoria das condições de trabalho dessa população que realiza extensa jornada de trabalho com a realização repetitiva de intensos esforços físicos associados a precariedade econômica, devido a uma relação comercial injusta que são submetidos com a figura do intermediário que se apropriam da maior parte do fruto do seu trabalho, sem que haja uma reação do poder público no planejamento de estratégias que protejam, efetiva e definitivamente, essa classe de trabalhadores.

Referências

AGÊNCIA EUROPEIA DO AMBIENTE. Alterações climáticas. Disponível em: http://www.eea.europa.eu/pt/themes/climate/intro>. Acesso em: 18 abr. 2018.

ALVES, J. R. P. Manguezais: educar para proteger. Rio de Janeiro. FEMAR (ed.). 2001. 96 p.

BRASIL. Ministério da Pesca e Aquicultura. Boletim Estatístico da Pesca e Aquicultura. Brasil 2008-2009. Brasília. Ministério da Pesca e Aquicultura. disponível em: http://www.presidencia.gov.br/estrutura_presidencia/seap/, acessado em 01 de maio de 2018.

CORTEZ, A. T. C. O lugar do homem na natureza. Revista do Departamento de Geografia. USP, São Paulo, v.22. p. 29-44. 2011.

DUKE, N.; NAGELKERKEN, I.; AGARDY, T. The importance of mangroves to people: a call to action. New York. UNEP-WCMC (ed.). 2014. 128p.

FERREIRA, W. A vital importância do mangue no efeito estufa. Revista de Ecologia do Século 21. ECO 21, Rio de Janeiro, v. 118, 2006.

GIMENIZ, K. O homem faz o clima. E faz mal. Disponível em:< www.super.abril.com.br/ideias/o-homem-faz-o-clima-e-faz-mal>. Acesso em: 17 abr. 2018.

KNEIP, L. M. Coletores e pescadores pré-históricos de Guaratiba. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ; Niterói, RJ: Eduff. 256p.

KOTLER, P.; LEE, N. Marketing contra a pobreza. Porto Alegre. Bookman (ed.). 2010. 320p.

MOTA, S. E.; PENA, P. G. L. Pescador e pescadora artesanal: estudo sobre condições de trabalho e saúde em Ilha de Maré, Bahia. In: PENA, P. G. L; MARTINS, V. L. A (Orgs.). Sofrimento negligenciado: doenças do trabalho de marisqueiras e pescadores artesanais. Salvador, UFBA (ed.). p. 31-51. 2014.

OGEDA, M. S; SEIXAS FILHO, J. T. - Ação antrópica interferindo nos manguezais que altera o equilíbrio global: caso canal do Cunha no Rio de Janeiro. In: III SEMINÁRIO DAS ÁGUAS: MANGUES DO RIO. Seixas Filho, J. T. e Silva, C. A. F. (Orgs.). Rio de Janeiro. H. P. Comunicação Editora. p. 29-46. 2017.

PENA, P. G. L.; FREITAS, M. C. S. Condições de trabalho da pesca artesanal de mariscos e riscos para LER/ DORT em uma comunidade pesqueira da Ilha da Maré, Ba. In: PENA, P. G. L; MARTINS, V. L. A (Orgs.). Sofrimento negligenciado: doenças do trabalho de marisqueiras e pescadores artesanais. Salvador, UFBA (ed.). p. 53-92. 2014.

PENA, P. G. L.; GOMEZ, C. M. Saúde dos pescadores artesanais e desafios para a Vigilância em Saúde do Trabalhador. Rio de Janeiro. Ciência & Saúde Coletiva, v.19, n.12. p. 4689-4698, 2014.

PENA, P. G. L; MARTINS, V. L. A (Orgs.). Sofrimento negligenciado: doenças do trabalho de marisqueiras e pescadores artesanais. Salvador, UFBA (ed.). 2014. 352p.

PEREIRA FILHO, O.; ALVES, J.R.P. Conhecendo o manguezal: apostila técnica, grupo mundo da lama. 4. ed. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1999. 10 p.

PIÑEYRO, N.; MORENO, A. S.; GARCÍA, A. H. Desafios das comunidades de pescadores e o papel dos governos na América Latina: Desafios do Desenvolvimento. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (ed.). Edição 88. 2016. In: http://www.ipea.gov.br/desafios/ index. php? option=com_ cont ent&view=article&id=3298&catid=29&Itemid=34, acessado em 24 de novembro de 2018.

PRAHALAD, C. K. A Riqueza na Base da Pirâmide. Porto Alegre: Bookman, 2010. 408p.

ROSA, M. F. M.; MATTOS, U. A. O. A saúde e os riscos dos pescadores e catadoras de caranguejo da Baía de Guanabara. Ciência e Saúde Coletiva, v. 15, (supl. 1/0, p. 1543-1552. 2010.

SCHAEFFER- NOVELLI, Y. Manguezal - ecossistema entre a terra e o mar. São Paulo: USP, 1995. 64p.

SCHAEFFER-NOVELLI, Y.; VALE, C. C.; CINTRÓN, G. Monitoramento do ecossistema manguezal: estrutura e características funcionais. In: TURRA, A., and DENADAI, MR., orgs. Protocolos para o monitoramento de habitats bentônicos costeiros. Rede de Monitoramento de Habitat Bentônicos Costeiros ReBentos [online]. São Paulo: Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo, p. 62-80. 2015.

SEIXAS FILHO, J. T.; SILVA, C. A. F (Orgs.). III SEMINÁRIO DAS ÁGUAS: MANGUES DO RIO. Rio de Janeiro. H. P. Comunicação Editora. 2017. 116p.

SEMADS. Manguezais: Educar para proteger. Organizado por Jorge Rogério Pereira Alves. Rio de Janeiro, 2001. 96p.

SILVA, J. A. Direito constitucional positivo. 15. Malheiros (ed.), 1998. 289p.
Publicado
2018-12-06