O PAPEL DE UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: RELATO DE CASO

  • Ana D'Arc Moreira Arcanjo Universidade Federal de Juiz de Fora- UFJF
  • Carlos Alberto Morão Junior Universidade Federal de Juiz de Fora- UFJF
  • Claudia Cerqueira Mármora Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Palavras-chave: inclusão, práticas pedagógicas, interação multidisciplinar, TDAH

Resumo

Este artigo refere-se a um estudo de caso envolvendo o atendimento psicológico clínico de uma criança de oito anos, sexo masculino, com diagnóstico prévio de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Buscou-se promover uma discussão sobre as práticas pedagógicas da educação inclusiva e seus efeitos no desenvolvimento escolar, desde o encaminhamento até o tratamento a partir de uma perspectiva de integração multidisciplinar, a qual entende o processo de ensino-aprendizagem como interação entre os estímulos provenientes do meio externo e o cérebro. Com base na análise deste caso, concluiu-se que as práticas inclusivas devem ser incorporadas a partir da colaboração entre as áreas da psicologia, neurociências e educação com um olhar dirigido à maneira de aprender da criança com TDAH.

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (DSM). 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2002.

BENCZIK, E. B. P. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: atualização diagnóstica e terapêutica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000.

BUCK, J. N. H-T-P: Casa - Arvore - Pessoa. Técnica Projetiva de Desenho. Manual e Guia de interpretação. São Paulo: Vetor, 2003.

COLL, C.; MARCHESI, A.; PALACIOS, J. Desenvolvimento psicológico e educação: transtornos de desenvolvimento e necessidades educativas especiais. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.

COSENZA, R.M.; GUERRA, L.B. Neurociência e educação: como o cérebro aprende. Porto Alegre: Artmed, 2011.

FONSECA, V. Manual de observação psicomotora: significação psiconeurológica dos fatores psicomotores. 2. ed. Rio de Janeiro: Wak, 2012.

LENT, R. Cem bilhões de neurônios: conceitos fundamentais de neurociência. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2010.

MAIA, H.; MOLTER, A. T. P.; DELOU, C. M. C.; CAMPAGNA, G. F. C.; VARGAS, G. M. B.; MAIA, L. H. C. L., et al. Neuroeducação e ações pedagógicas. Rio de Janeiro: Wak, 2011.

OLIVEIRA, G. C. Avaliação Psicomotora à luz da psicologia e da psicopedagogia. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

PINHEIRO, M. A. A inteligência: uma contribuição da biologia ao processo educativo. Revista Educar, v. 12, p. 34-49, 1996.

BRASIL. Comissão de Seguridade Social e Família. Projeto de Lei n. 7.081, de 2010. Dispõe sobre o diagnóstico e tratamento da dislexia e do Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade na educação básica. Brasília-DF, 11 de novembro de 2010. Disponível em:
. Acessado em 10. Out.2012.

SARAIVA, R. A., MOOJEN, S. M. P.; MUNARSKI, R. Avaliação da compreensão leitura de textos expositivos: para fonoaudiólogos e psicopedagogos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2009.

STAINBACK, S.; STAINBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artmed, 1999.

STALLARD, P. Bons pensamentos, bons sentimentos: manual de terapia cognitivo-comportamental para crianças e adolescentes. Porto Alegre: Artmed, 2004.

WECHSLER, D. WISC-III: Escala de inteligência Wechsler para crianças: adaptação brasileira da 3ª edição. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002.
Publicado
2018-12-06