REPRESENTAÇÕES DE PESSOAS DE DIFERENTES CLASSES SOBRE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS

  • Rafael De Tilio Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM
  • Bruna Maria Capeli Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Palavras-chave: Representações, Substâncias psicoativas, Classe Social

Resumo

Este estudo objetivou compreender como pessoas de diferentes classes socioeconômicas significam o uso/tratamento de substâncias psicoativas. Foram entrevistadas oito pessoas (quatro de classes altas e quatro de classes média/baixas) de uma cidade média da região do Triângulo Mineiro. Os dados foram organizados em três categorias (Representações sobre substâncias psicoativas; Representações dos tratamentos; Representações da temática nas diferentes classes). Os principais resultados destacam que: a dependência é considerada perda de controle do usuário em qualquer classe social; a internação em clínicas terapêuticas é um tratamento falho, porém o mais acessível; as classes altas foram significada como tendo fácil acesso as substâncias psicoativas mais caras as utilizando esporadicamente em festas e por lazer, enquanto que as classes médias/baixas fazem uso de substâncias mais baratas e danosas, mas rotineiramente. Conclui-se que o uso de substâncias psicoativas deve considerar aspectos sociais, econômicos, culturais e psicológicos específicos dos grupos.

Biografia do Autor

Rafael De Tilio, Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM
Possui graduação (2002) e pós-graduação (mestrado/2005; doutorado/2009) em Ciências, na área de  Psicologia, pela USP. Desenvolve pesquisas referentes à área de violência, sexualidade, gênero e ideologia. É líder do HUBRIS - Laboratório de Estudos e Pesquisa em Sexualidade e Violência de Gênero (https://hubris-laboratorio-de-estudos-e-pesquisa.webnode.com/). Atualmente é Professor no Curso de Graduação e no Programa de Pós-graduação em Psicologia da UFTM.
Bruna Maria Capeli, Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Psicóloga pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFMT).      

Referências

ANDRADE, AG; DUARTE, PCAV; BARROSO, LP; NISHIMURA, R; ALBERGUINI, DG; OLIVEIRA, LG. Use of alcohol and other drugs among Brazilian college students: effects of gender and age. Rev. Bras. Psiquiatr., v.34, n.3, p.294-305, 2012.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010. 281p.

BRASIL. Consultórios de Rua do SUS. In Material de trabalho para a II Oficina Nacional de Consultórios de Rua do SUS. Ministério da Brasília: Ministério da Saúde, 2010. Disponível em: www.defensoria.sp.gov.br/dpesp/31/documentos/consultorio_rua_sus. Acesso em: 10 mar. 2014.

BRASIL. Informações sobre drogas/Definição e histórico. 2007. Disponível em: www.obid.senad.gov.br/portais/conteúdosobredrogas. Acesso em: 16 out. 2014

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA (CFP). Subjetividade do consumo de álcool e outras drogas e as políticas publicas brasileiras. Brasília: Author, 2010. 128p.

DALLA-DÉA, HRF; SANTOS, EM; ITAKURA, E; OLIC, TB (2004). A Inserção do psicólogo no Trabalho de Prevenção ao Abuso de Álcool e Outras Drogas. Psicologia Ciência e Profissão, v. 24, n.1, p.108-115, 2004

DELMANTO, J. Para além da “fuga da realidade”: outras motivações para consumo de psicoativos na contemporaneidade. Saúde & Transformação Social, v.4, n.2, p.78-90, 2013

DEWES, JO; NUNES, LN. Amostragem em bola de neve e repondent-driven sampling: uma descrição de métodos. 2013. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/93246/000915046.pdf?sequence=1. Acesso em: 20 out. 2014

ECKSCHMIDT, F; ANDRADE, AG; OLIVEIRA, LG. Comparação do uso de drogas entre universitários brasileiros, norteamericanos e jovens da população geral brasileira. J. Bras. Psiquiatr., v.62, n.3, p.199-207, 2013

ESPINHEIRA, G. Metodologia e prática do trabalho em comunidade: ficção do real, observar, deduzir e explicar. Salvador: EDUFBA, 2008. 138p.

FELIX, CB; VIANNA, ACF. O preconceito e o estigma na cobertura midiática sobre drogas no Rio de Janeiro. Contemporânea – comunicação e cultura, v.13, n.3, p.566-581, 2015.

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Entenda o que é a internação compulsória para dependentes químicos. 2013. Disponível em: http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/lenoticia.php?id=225660. Acesso em: 20 out. 2014.

GRUPO DE ESTUDOS URBANOS (GEU). Fim da polêmica sobre as classes sociais. 2012. Disponível em: http://www.geu.com.br/news/fim-da-polemica-sobre-as-classes-sociais. Acesso em: 11 fev. 2014.

II LEVANTAMENTO NACIONAL DE ÁLCOOL E DROGAS/LENAD 2012. Relatório Final. São Paulo: Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Políticas Públicas de Álcool e Outras Drogas. 2014.

LOSURDO, D. A luta de classes: uma história política e filosófica. Rio de Janeiro, Boitempo, 2015. 400p.

JORGE, JS; CORRADI-WEBSTER, CM. Consultório de Rua: Contribuições e Desafios de uma Prática em Construção. Saúde & Transformação Social, v.3, n.1, p.39-48, 2012.

LEI N. 10.216. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Diário Oficial da União: Brasília/DF. 2001.

MAC RAE, E. Antropologia: Aspectos Sociais, Culturais e Ritualísticos. In SEIBEL, SD (Ed.). Dependência de drogas. São Paulo: Atheneu, 2001, p.25-34.
MENEZES, C. Cocaína e crack: diferença é classe social de quem consome. 2014. Disponível em: http://outraspalavras.net/outrasmidias/destaque-outras-midias/cocaina-e-crack-diferenca-e-classe-social-de-quem-consome/. Acesso em: 20 mar 2014.

MOMBELLI, MA; MARCON, SS; COSTA, JB. Caracterização das internações psiquiátricas para desintoxição de adolescentes dependentes químicos. Revista Brasileira de Enfermagem, v.63, n.5, p.735-740, 2010.

MOSCOVICI, S. O fenômeno das representações sociais. In MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 2012, p.29-109

OLIVEIRA, LG; NAPPO, SA. Caracterização da cultura de crack na cidade de São Paulo: padrão de uso controlado. Revista de Saúde Pública, v.42, n.4, p.664-71, 2008.

ONOCKO-CAMPOS, RT; PASSOS, E; PALOMBINI, AL; SANTOS, DVD; STEFANELLO, S; GONÇALVES, LLM; ANDRADE, PM; BORGES, LR. A gestão autônoma da medicação: uma intervenção analisadora de serviços em saúde mental. Ciência & Saúde Coletiva, v.18, n.10, p.2889-2898, 2013.

PASQUIM, HM; SOARES, CB. Lazer, saúde coletiva e consumo de drogas. Licere, v.18, n.2, p.305-328, 2015

PERRONE, PAK. A comunidade terapêutica para recuperação da dependência do álcool e outras drogas no Brasil: mão ou contramão da reforma psiquiátrica? Ciênc. Saúde coletiva, v.19, n.2, p.569-580, 2014.

SANTOS, MFS; ACIOLI NETO, ML; SOUSA, YSO. Representações sociais do crack na imprensa pernambucana. Estudos de Psicologia, v.29, n.3, p.379-386, 2012.

SOUZA, DO. A questão do consumo de drogas: contribuições para o debate. Serv. Social & Saúde, v.11, n.2, p.269-286, 2012.

TONDIN, MC; NETA, MAPB; PASSOS, LA. Consultório de rua: Intervenção ao uso de drogas com pessoas em situação de rua. Revista de Educação Pública, v.22, n.49, p.485-501, 2013.

TORCATO, CEM. O uso de drogas e a instauração do proibicionismo no Brasil. Saúde & Transformação Social, v.4, n.2, p.117-125, 2013.

VALIM, D; ZALUAR, A; SAMPAIO, C. Etnografia das cenas de uso de crack no Rio de Janeiro e seus efeitos nos usuários. In TEIXEIRA, ZF (Org.). Saberes e práticas na atenção primária à saúde: cuidado à população em situação de rua e usuários de álcool, crack e outras drogas. São Paulo: Hucitec, 2015, p.201-217.

VELHO, G. Nobres & Anjos: Um estudo de tóxicos e hierarquia. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2008. 214p.
Publicado
2018-11-14
Como Citar
De Tilio, R., & Capeli, B. M. (2018). REPRESENTAÇÕES DE PESSOAS DE DIFERENTES CLASSES SOBRE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS. Revista Augustus, 22(44), 121-144. https://doi.org/https://doi.org/10.15202/1981896.2017v22n44p121