Acompanhem as novidades da Revista Augustus!

  • Dossiê Desafios para os Direitos Humanos no Mundo Pós Pandemia

    2021-08-12

    A Revista Augustus convida estudiosos e pesquisadores da área dos Direitos Humanos, e de áreas afins, a participarem do Dossiê Desafios para os Direitos Humanos no Mundo Pós Pandemia, que comporá a sua 56ª edição. Aceita-se estudos e pesquisas que discutam o impacto da COVID-19 nos direitos humanos em todo o mundo e no Brasil, especificamente, onde as desigualdades e vulnerabilidades foram expostas todos os dias.

    Os trabalhos devem conter no máximo 4 autores e serem inseridos no ambiente virtual até o dia 03 de fevereiro de 2022, para que possam ser submetidos à avaliação em duplo cego. Serão aceitos trabalhos em Língua Portuguesa, Inglesa e Espanhola. 

    Os trabalhos deverão estar de acordo com as normas da Revista Augustus, e, se aceitos, serão publicados até o dia 30 de março de 2022.

    Contextualização da proposta:

     Entre os dias 10 e 13 de dezembro de 2013 aconteceu em Brasília, Distrito Federal, o Fórum Mundial de Direitos Humanos (FMDH), que teve como objetivo “promover um espaço de debate público sobre direitos humanos no mundo, em que sejam tratados seus principais avanços e desafios” (SDH/PR). Pouco mais de seis anos após o evento, em março de 2020, o mundo foi surpreendido pela pandemia do novo coronavírus, causador da COVID-19, realidade que ainda estamos vivendo em 2021 e sem data precisa para seu fim. A pandemia impactou diretamente sobre os direitos humanos em todo o mundo, mas no caso específico do Brasil vimos desigualdades e vulnerabilidades sendo expostas todos os dias, mostrando que o Fórum foi uma das muitas iniciativas que precisam ser criadas para que o tema continue nas pautas públicas. Ela também expôs a necessidade da ampliação de espaços democráticos que convidem a reflexões sobre o tema dos direitos humanos a partir de uma perspectiva crítica. Tendo o contexto da pandemia de COVID-19 como referência, convidamos pesquisadores e pensadores de diferentes campos para abordarem o tema dos direitos humanos num cenário pós pandêmico, pensando esses direitos em termos de garantias e ampliação no Brasil e na América Latina.

     Organizadores do Dossiê:

    Adriano Rosa (Doutor em Educação Física pela UGF e Professor e Coordenador do MPGTQAC-USU)

    Cláudia Affonso (Doutora em Educação pela UFF e Professora do Colégio Pedro II)

    Márcia T. Cavalcanti (Doutora em Ciência da Informação pelo IBICT/UFRJ e Professora do MPGTQAC-USU)

    Saiba mais sobre Dossiê Desafios para os Direitos Humanos no Mundo Pós Pandemia
  • Dossiê Pretagogia e Manifestações Africanas e Afro-Brasileiras para a Educação Das Relações Etnico-Raciais

    2021-08-12

    A Revista Augusta convida estudiosos e pesquisadores para o Dossiê Pretagogia e Manifestações Africanas e Afro-Brasileiras para A Educação das Relações Etnico-Raciais. O objetivo central da edição é reunir contribuições que tragam experiências em ensino, pesquisa e extensão desenvolvidas por meio da Pretagogia e de Manifestações Africanas e Afro-brasileira voltadas para a Educação das Relações Étnico-raciais.

    Os trabalhos devem conter no máximo 4 autores e serem inseridos no ambiente virtual até o dia 30 de maio de 2022, para que possam ser submetidos à avaliação em duplo cego. Serão aceitos trabalhos em Língua Portuguesa, Inglesa e Espanhola. 

    Os trabalhos deverão estar de acordo com as normas da Revista Augustus, e, se aceitos, serão publicados até o dia 05 de agosto de 2022.

    Eixo Temático

    A Pretagogia é um referencial teórico-metodológico de base africana, criado em 2010, pelo Núcleo das Africanidades Cearenses (NACE) em parceria com docentes da rede pública de Fortaleza (CE). O NACE tem dentre seus objetivos - promover a investigação, discussão e divulgação de conhecimentos sobre as culturas africanas, afro-brasileiras, em especial a afro-cearense, prioritariamente pela pesquisa e extensão universitária, na busca de dar maior visibilidade às intervenções e produções acadêmicas, culturais e políticas referentes aos segmentos afrodescendentes (SILVA, 2013).

    A Pretagogia foi desenvolvida em função do I curso de Especialização Pós-graduação Lato Sensu em História e Cultura Africana e dos Afrodescendentes. Curso voltado à formação de Professores/as de Quilombos no Ceará. Para tanto, a Pretagogia está amparada nos seguintes valores de base africana, que são:

    - ancestralidade; - tradição oral; - o corpo enquanto fonte espiritual, produtor de saberes; - religiosidade e a noção de território enquanto espaço-tempo. (PETIT, 2014).

    Cabe ainda explicitar que a Pretagogia está fundamentada nos seguintes eixos:

    - interligação da cosmovisão africana e a sociopoética na educação e na pesquisa (Petit, 2009);

    - vivências propiciadas pela consciência corporal africana (Cruz, 2009);

    - projeto político-pedagógico enraizado no corpo (Meijer, 2010);

    - abordagem da afrodescendência, elaborada (Cunha Jr. , 2007);

    - produção didática de literatura oral afro-brasileira, (Silva, 2013);

    - a crítica sócio-antropológica de Munanga pondo em questão a falácia da democracia racial (Munanga, 2000);

    - a conceituação de Arkhé (Sodré, 2005);

    - os ensinamentos da Filosofia da Ancestralidade (Oliveira, 2009);

    -  abordagem de pesquisa-intervenção (Videira, 2010);

    - auto-reconhecer-se afrodescendente – alguém que sabe que faz parte de um tronco/linhagem de origem negra africana (Ki-Zerbo, 2010).

    Dessa forma, é condição primeira para que os escritos sejam aprovados, o alinhamento à Pretagogia [aqui apresentada] bem como às manifestações culturais africanas e afro-brasileiras, combinadas, ao cotidiano das práticas pedagógicas voltadas para a educação das relações étnico-raciais.

    Concebidas como expressões singulares das diferentes identidades dos povos e grupos étnicos, locais, regionais, as manifestações culturais africanas e afro-brasileiras implicam no diálogo entre as culturas sagradas, religiosas, ancestrais, espirituais e das tradições em África e na diáspora. (FERRAZ, 2012)

    Assim, os sentidos dados aos corpos e a seus simbolismos nas práticas ritualísticas, celebrativas, tradicionais entre outros, avançam na direção das relações do corpo e suas múltiplas cosmopercepções, enquanto concepção inclusiva de mundo entre os diferentes grupos culturais, tanto do físico como celestial. (OYEWUMI, 1997)

    No caso, as manifestações culturais africanas e afro-brasileiras reveladas nas artes da dança, música, literatura, fotografia, cinema possibilitam novos [e outros] significados, merecem destaque nos referenciais da Pretagogia.

     

    Organizadores do Dossiê: 

    Editores do Dossiê:

    Geranilde Costa e Silva (UNILAB)

    Luis Carlos Ferreira (UNILAB)

    Rebeca de Alcântara e Silva Meijer (UNILAB)

    Maria Geralda Miranda (UNISUAM)

     

    Saiba mais sobre Dossiê Pretagogia e Manifestações Africanas e Afro-Brasileiras para a Educação Das Relações Etnico-Raciais
  • Dossiê Estudos Contemporâneos

    2021-08-12

    A Revista Augustus convida estudiosos e pesquisadores dos problemas contemporâneos do Brasil  a participarem do Dossiê Dossiê Estudos Contemporâneos, que comporão a sua 54ª edição. Aceita-se estudos e pesquisas que discutam temas voltados para o planejamento urbano, mobilidade, saúde, educação, cultura, desenvolvimento sustentável, recursos hídricos, problemas climáticos, paz, justiça e instituições e diversidade, entre outros temas. 

     Os trabalhos devem conter no máximo de 4 autores e serem inseridos no ambiente virtual até o dia  05 de novembro de 2021, para que possam ser submetidos à avaliação em duplo cego. Serão aceitos trabalhos em Língua Portuguesa, Inglesa e Espanhola. 

    Os trablhos devem estar de acordo com as normas da Revista Augustus, e, se aceitos, serão publicados até o dia 14 de dezembro de 2021
    Organizadores do Dossiê: Prof. Dr Heitor Romero Marques, Profª Drª Arlinda Cantero Dorsa e Profª Drª Maria Geralda de Miranda.

    Saiba mais sobre Dossiê Estudos Contemporâneos