ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS MÉTODOS DE CZERNY, MARCUS E GRELHA PARA O CÁLCULO DE LAJES MACIÇAS

  • Igor Charlles Siqueira Leite Mestre em Engenharia Civil pela COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
  • Dirceu Pimentel da Silveira Especialista em Engenharia Estrutural pela UNISUAM, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
  • Luis Eduardo Amâncio Aguiar Mestre em Gestão em Engenharia e Desenvolvimento Sustentável pela Universidade Federal
  • José Eudes Marinho da Silva Mestre em Engenharia de Transportes pelo Instituto Militar de Engenharia (IME), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Palavras-chave: Lajes maciças., Czerny., Marcus., Analogia de Grelha.

Resumo

O presente trabalho é uma análise comparativa entre os métodos de cálculo de lajes de
concreto armado maciças utilizando as tabelas de Czerny, Marcus e o método de analogia
de grelhas com a utilização do software Eberick para determinado tipo de arquitetura. O
objetivo do trabalho foi de analisar, comparar e verificar se a diferença entre os métodos
de cálculo são significativas para o modelo da arquitetura apresentada. Analisando as
diferenças entre os modelos foi verificado que entre os métodos de Czerny e Marcus as
diferenças entres eles são mínimas. Nas lajes L1 e L5 os maiores momentos fletores nas
direções Lx e Ly foram apresentados com o método de Marcus enquanto que nas Lajes
L2, L3 e L4 os maiores momentos fletores nas direções Lx e Ly foram apresentados com
o método de Czerny. Quando comparados ao método de analogia de grelhas, com a
utilização do Eberick, chegou-se a discrepâncias significativas nos momentos positivos
na direção Ly, os maiores momentos fletores positivos foram obtidos com o método de
analogia de grelhas e os maiores momentos negativos foram obtidos pelos métodos de
Czerny e Marcus. Tais diferenças deve-se ao método de Marcus e Czerny considerarem
que as vigas são indeformáveis (método das charneiras plásticas), o que não corresponde a maioria dos casos de distribuição das cargas das lajes sobre as vigas. 

Biografia do Autor

Igor Charlles Siqueira Leite, Mestre em Engenharia Civil pela COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Mestre em Engenharia Civil pela COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Professor do curso de pós-graduação em Engenharia Estrutural da UNISUAM

Dirceu Pimentel da Silveira, Especialista em Engenharia Estrutural pela UNISUAM, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Especialista em Engenharia Estrutural pela UNISUAM, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Luis Eduardo Amâncio Aguiar, Mestre em Gestão em Engenharia e Desenvolvimento Sustentável pela Universidade Federal

Mestre em Gestão em Engenharia e Desenvolvimento Sustentável pela Universidade
Federal

José Eudes Marinho da Silva, Mestre em Engenharia de Transportes pelo Instituto Militar de Engenharia (IME), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Mestre em Engenharia de Transportes pelo Instituto Militar de Engenharia (IME), Rio
de Janeiro, RJ, Brasil.

Publicado
2019-04-08
Seção
Engenharias