MONITORAMENTO DE COMPOSTAGEM EM PEQUENA ESCALA

  • Renan Tavares Figueiredo Universidade Tiradentes (UNIT), Aracaju, SE, Brasil
  • Márcio José Costa Brito Universidade Tiradentes (UNIT), Aracaju, SE, Brasil
  • Pedro Henrique Campello Santos Universidade Tiradentes (UNIT), Aracaju, SE, Brasil
  • Cleide Mara Faria Soares Instituto de Tecnologia e Pesquisa (ITP), Aracaju, SE, Brasil.
  • Eduardo Costa Burle Instituto de Tecnologia e Pesquisa (ITP), Aracaju, SE, Brasil.

Abstract

O aumento na produção de resíduos sólidos motivou a criação de novas tecnologias para a disposição de lixo e esgoto. Os resíduos orgânicos representam 50% de toda a produção de resíduos sólidos nas cidades brasileiras, no entanto, a maior parte é descartada incorretamente. Uma solução para esse problema é o processo de compostagem, que converte resíduos biodegradáveis em matéria orgânica higienizada e estabilizada e pode ser usado como fertilizante na agricultura e em hortas domésticas. Assim, o presente trabalho teve como objetivo quantificar a composição de nutrientes de uma compostagem de pequena escala e analisar todo o processo de produção. Para isso, foram criadas cinco janelas com 1m³ de composição diferentes, variando entre 30 e 70% da poda e comercializando resíduos orgânicos. Os resultados mostraram que as janelas variaram de 49,9 a 56°C, o pH foi 9, enquanto os parâmetros inorgânicos e orgânicos eram semelhantes aos da compostagem convencional. Concluiu-se que a compostagem em pequena escala é uma alternativa viável ao descarte de resíduos sólidos.

Author Biographies

Renan Tavares Figueiredo, Universidade Tiradentes (UNIT), Aracaju, SE, Brasil

Doutor em Físico Química pela Universidade Autônoma de Madrid. Professor Titular do Departamento de Engenharia de Processos, Universidade Tiradentes (UNIT), Aracaju, SE, Brasil.

Márcio José Costa Brito, Universidade Tiradentes (UNIT), Aracaju, SE, Brasil

Mestrado em Engenharia de Processos pela Universidade Tiradentes (UNIT), Aracaju, SE, Brasil.

Pedro Henrique Campello Santos, Universidade Tiradentes (UNIT), Aracaju, SE, Brasil

Mestrado em Engenharia de Processos pela Universidade Tiradentes (UNIT), Aracaju, SE, Brasil. Professor Titular do Instituto Federal de Pernambuco - Campus Garanhuns do curso de Engenharia Elétrica e Técnico em Meio Ambiente.

Cleide Mara Faria Soares, Instituto de Tecnologia e Pesquisa (ITP), Aracaju, SE, Brasil.

Doutorado em Engenharia Química pela Universidade Estadual de Maringá. Pesquisadora do Instituto de Tecnologia e Pesquisa (ITP), Aracaju, SE, Brasil.

Eduardo Costa Burle, Instituto de Tecnologia e Pesquisa (ITP), Aracaju, SE, Brasil.

Bacharel em Ciências Biológicas pela Universidade Tiradentes (UNIT), Aracaju, SE, Brasil.

Published
2019-09-24
Section
ARTIGOS