ANÁLISE DO USO DE METODOLOGIAS ATIVAS NAS PRÁTICAS DOCENTES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR BRASILEIRA - UNILESTE

  • Maria Aparecida de Faria Gomes
  • Maria Aparecida de Souza
  • Isabela Crespo Caldeira
  • Fabrício Moura Dias
Palavras-chave: Metodologias ativas, Práticas docentes, aprendizagens significativas

Resumo

O uso de Metodologias Ativas nos 23 cursos de graduação do Unileste foi impulsionado a partir de mudanças curriculares e atividades de formação docente (curso na modalidade híbrida e oficinas). Objetiva-se, assim, apresentar uma análise, na perspectiva dos docentes, sobre o uso de Metodologias Ativas durante o ano de 2017. Para tanto, foi aplicado um questionário online para os docentes, com duas questões dissertativas e cinco objetivas, disponível por quinze dias em dezembro de 2017. As questões versaram sobre: as metodologias que utiliza; frequência de uso; fatores dificultadores; avaliação sobre o seu uso; percepção sobre o comportamento dos alunos e os impactos na aprendizagem. Dos 190 professores, 63% responderam. O Estudo de Caso foi a metodologia mais utilizada pelos docentes, seguida por PBL e Metodologia da Problematização pelo Arco de Maguerez, Aprendizagem por Projetos, Peer Instruction, Rotação por Estações e Gamificação, Júri Simulado, Fórum Virtual e Bola de Neve. A frequência das metodologias ativas nas práticas dos docentes apresentou-se da seguinte forma: 43,3% utilizam frequentemente, 46,7% às vezes, 9,2% raramente e 0,8% não utilizam. Quanto aos fatores dificultadores, a maior ocorrência foi a resistência dos alunos em relação às mudanças de práticas, infraestrutura e recursos. Os impactos na aprendizagem, segundo os docentes, permearam os domínios cognitivo, afetivo e psicomotor de acordo com Bloom. Os resultados demonstraram que o uso das metodologias ativas no Unileste alcançou resultados relevantes quanto à adesão de docentes e discentes, à frequência da aplicação de diferentes metodologias, bem como quanto aos impactos na aprendizagem dos discentes.

Biografia do Autor

Maria Aparecida de Faria Gomes

Mestre em Educação Tecnológica. Professora Graduação. Centro Universitário do Leste de Minas Gerais.

Maria Aparecida de Souza

Mestre em Educação. Professora Graduação . Centro Universitário do Leste de Minas Gerais.

Isabela Crespo Caldeira

Doutora em Botânica. Professora Graduação. Centro Universitário do Leste de Minas Gerais.

Fabrício Moura Dias

Doutor em Ciência e Engenharia de Materiais. Professor Graduação. Centro Universitário do Leste de Minas Gerais.

Publicado
2018-07-11
Seção
Artigos